Banco Mundial está otimista com a economia do Brasil

O vice-presidente do Banco Mundial (Bird) para a América Latina e o Caribe, David de Ferranti, disse hoje que a avaliação do banco sobre a economia brasileira e as perspectivas para este ano e, pelo menos, até 2005, é otimista. A instituição avalia que haverá um crescimento das exportações, puxadas especialmente pela demanda crescente de mercados novos como a China e também pela Argentina, que esta em fase de recuperação econômica. De Ferranti informou que, nas reuniões que manteve hoje com os ministros da Fazenda, Antonio Palocci, e do Planejamento, Guido Mantega, foram apresentados indicadores econômicos que mostram a inflação sob controle e os juros em queda. "Sabemos que há muitos questionamentos, atualmente, no Brasil, se as coisas estão realmente melhorando", disse. "Mas nossa conclusão é otimista". Segundo o vice-presidente do Bird, a nova metodologia de contrapartidas para investimentos do banco em projetos brasileiros representa o reconhecimento da política econômica do governo. O Bird pretende considerar como contrapartida em projetos sociais e de infra-estrutura os investimentos já previstos pelo governo no Orçamento. Um exemplo é o bolsa-família. "Essa mudança é significativa, e estamos fazendo isso porque temos confiança no governo brasileiro", afirmou. Ferranti informou que a meta de investimentos do banco no Brasil, no ano fiscal que se encerra em junho, é de US$ 2 bilhões. Até agora, foram desembolsados US$ 600 milhões.

Agencia Estado,

25 Março 2004 | 17h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.