Pilar Olivares/Reuters
Pilar Olivares/Reuters

Banco Mundial sugere eliminação de subsídios nos empréstimos

Relatório sugere que a lógica da TLPseja estendida aos setores imobiliário e agrícola

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

07 Março 2018 | 10h00

BRASÍLIA - A lógica por trás da criação da Taxa de Longo Prazo (TLP) deveria ser estendida aos setores imobiliário e agrícola, sugere o relatório “Emprego e Crescimento: A Agenda da Produtividade”, divulgado pelo Banco Mundial. A TLP aproximou as taxas de juros cobradas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) das praticadas pelo mercado financeiro, de forma a eliminar os pesados subsídios federais envolvidos na operação.

+ Metade dos jovens brasileiros têm futuro ameaçado, alerta Banco Mundial

Combinada com a redução da taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic, essa medida deve aumentar a competição no setor bancário. Os efeitos dessa mudança deverão ser sentidos a médio prazo.

+ Banco Mundial recomenda revisão de incentivos fiscais e subsídios

O documento opina que o BNDES deveria ser reorientado. Em vez de ser a principal fonte de financiamentos de longo prazo, o banco poderia atuar como um “facilitador de capital privado” para esse segmento. E reorientar seus recursos para dar apoio a micro e pequenas empresas, às startups e empresas inovadoras.

+ Política do salário mínimo pode ter efeitos negativos no mercado de trabalho, alerta Banco Mundial

É uma ideia semelhante à apresentada em relatório da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgado na semana passada.

“De forma mais geral, a eficiência da alocação pode ser aprimorada com a revisão dos critérios usados na formulação das políticas de crédito dos bancos públicos, e com o fortalecimento da

responsabilização (accountability)”, diz o relatório do Banco Mundial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.