Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Banco Mundial vê contração global de até 2% em 2009

A desaceleração econômica global traz consigo a ameaça de instabilidade política, relatou Zoellick

AE-DOW Jones,

21 de março de 2009 | 11h01

A economia global provavelmente vai se contrair de 1% a 2% em 2009 e as organizações internacionais devem estar preparadas para monitorar ações de estímulo econômico, que serão tomadas ao redor do mundo, para ver se é preciso fazer mais, afirmou o presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick, neste sábado.

 

Veja também:

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise   

 

"Eu acredito que 2009 será um ano muito perigoso", disse Zoellick, durante evento do Fundo Alemão Marshall, em Bruxelas.

 

A desaceleração econômica global traz consigo a ameaça de instabilidade política, relatou Zoellick. Além disso, os legisladores estão ficando mais céticos sobre as propostas dos líderes de governos para gastar bilhões estimulando a economia e fortalecendo bancos, completou.

 

"Por um lado, precisa ser feito. Por outro, é uma negociação política difícil."

 

Muitos dos esforços de resgate em andamento ao redor do mundo terminam em 2010, o que significa que organizações internacionais como o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial devem monitorar esses pacotes de estímulo para determinar se é necessário fazer mais.

 

"Acredito que precisamos ter um processo de revisão para ver se será necessário mais em 2010", disse Zoellick.

 

Os governos vêm injetando liquidez no sistema financeiro nos últimos meses e alguns formuladores de política e economistas temem que essas ações poderão levar à inflação. Zoellick acredita que o desafio para os governos será enxugar a liquidez excessiva do sistema quando o crescimento econômico retornar, evitando a inflação. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise nos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.