Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Banco planeja emprestar mais, diz presidente

Presente ao debate, Caffarelli, do BB, disse que estuda, com o BNDES, ações para pequenas e médias empresas

Vinicius Neder e Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2017 | 21h57

O presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, reforçou ontem a determinação de emprestar mais para ajudar na recuperação da economia. Em conjunto com o presidente do Banco do Brasil (BB), Paulo Rogério Caffarelli, Rabello de Castro citou iniciativas de ampliação das linhas para pequenas e médias empresas. Anunciou ainda que o BNDES estuda lançar o “BNDES Direto”, nos moldes do Tesouro Direto, plataforma eletrônica de venda de títulos públicos para investidores pessoa física. 

O sinal de que há disposição em emprestar mais veio quando, em debate para marcar os 65 anos do BNDES, completados ontem, o ex-presidente do banco José Pio Borges de Castro Filho afirmou que o aporte de R$ 500 bilhões do Tesouro foi um exagero, mesmo após a devolução de R$ 100 bilhões, feita ano passado. Rabello de Castro pediu a palavra e disse que “o resto, o banco pretende usar”. “A turma fica meio gulosa, mas a gente é mais guloso na retomada do crescimento. Acho até que vão faltar (recursos)”, afirmou o presidente do BNDES.

Presente ao debate, Caffarelli, do BB, disse que estuda, com o BNDES, ações para pequenas e médias empresas. Segundo o presidente do BB, a intenção é tornar mais atrativas as linhas de crédito já existentes no BNDES e repassadas por outros bancos, possivelmente, com juros mais baixos do que os oferecidos atualmente. A linha deve ser lançada no segundo semestre do ano.

Sobre o “BNDES Direto”, Rabello de Castro reforçou que seria “algo parecido” com o Tesouro Direto, plataforma do Tesouro Nacional para a venda de títulos públicos a investidores pessoas física. “É uma janela de fomento ao investidor anônimo, distribuindo papéis”, disse o presidente do BNDES

Tudo o que sabemos sobre:
BNDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.