Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Banco registra mais um ano de recorde de financiamentos

A aprovação do financiamento bilionário para a Eletronuclear concretizar Angra 3 marca o fim de mais um ano de expansão dos desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), apesar da recuperação da economia.

Alexandre Rodrigues, O Estado de S.Paulo

30 de dezembro de 2010 | 00h00

O balanço do banco até novembro superou R$ 153 bilhões em liberações, 31% a mais do que no mesmo período de 2009.

O volume é maior do que os R$ 146 bilhões previstos pelo presidente do BNDES, Luciano Coutinho, para o ano todo e um novo recorde para a instituição. Em 2009, o BNDES emprestou R$ 137 bilhões, com o indicativo de desacelerar o crescimento para combater a retração dos investimentos na crise.

O desempenho este ano foi turbinado pelas liberações do empréstimo especial de R$ 25 bilhões à Petrobrás. Sem ele, o crescimento nos desembolsos até novembro teria sido de 10%.

Só em novembro, o BNDES liberou R$ 12,7 bilhões em créditos, 16% a mais do que no mesmo mês de 2009. Neste mês, o BNDES aprovou outro crédito elevado: R$ 2,7 bilhões para a construção de uma fábrica de celulose da Suzano em Imperatriz, no Maranhão.

Na área de energia, o BNDES aprovou, entre dezembro de 2008 e fevereiro de 2009, R$ 14 bilhões em financiamentos para as hidrelétricas Santo Antônio e Jirau, em construção no Rio Madeira, em Rondônia. O banco esperava aprovar o financiamento da hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu (PA), ainda neste ano, mas terá de esperar a licença de instalação do empreendimento. O BNDES poderá financiar até 80% do projeto, estimado em R$ 19,6 bilhões.

Outro desafio que fica para 2011 é o projeto do trem-bala Rio-SP-Campinas, cujo leilão de concessão foi adiado para abril.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.