FABIO MOTTA/ESTADAO
FABIO MOTTA/ESTADAO

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Banco vai admitir erros em CPIs no Congresso

Envolvido em apurações de duas CPIs no Congresso Nacional, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai mudar sua postura em relação às operações de empréstimo e investimento realizadas no passado e assumir uma autocrítica. A avaliação da direção, sob o comando de Paulo Rabello de Castro, é que o banco de fomento precisa admitir os erros e sair da condição de apenas se defender. 

Renan Truffi, Brasília

17 de setembro de 2017 | 05h00

O caso JBS é a maior influência por trás dessa mudança. As informações que vieram à tona com a delação de ex-executivos da empresa aceleraram o processo. 

O ponto de vista que deve nortear essa autocrítica é de que o banco precisa abandonar seu modo financista, para também se cercar de mecanismos e regras em relação ao que acontece com o capital investido pelo BNDES depois que o dinheiro chega aos beneficiados.

Esse discurso deve ficar mais evidente nas próximas semanas, quando supervisores do banco deverão prestar informações às comissões de inquérito abertas no Congresso. Tanto a CPI do BNDES, no Senado, quanto a CPI Mista da JBS, no Congresso, buscam investigar, entre outras coisas, os subsídios concedidos pela instituição à JBS, dos irmãos Batista. 

Durante o governo Lula, o banco investiu cerca de R$ 10 bilhões na holding J&F – que controla a JBS, dona da Friboi. O próprio presidente do BNDES já começou a dar declarações nesse sentido. 

O sub-relator da CPMI da JBS, o deputado Delegado Francischini (Solidariedade-PR), prepara agora um requerimento que tem o objetivo de rastrear o “caminho do dinheiro” investido pelo banco na aquisição de empresas nos Estados Unidos, durante a chamada política dos “campeões nacionais”. 

O pedido deve ser apresentado na próxima reunião da comissão, marcada para a próxima terça-feira. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.