Bancos alertam sobre risco de calote em carta a Obama

Alguns dos principais executivos dos maiores bancos dos EUA enviaram uma carta ao Congresso e à Casa Branca esta manhã pedindo que os congressistas e o presidente Barack Obama cheguem a um acordo sobre o déficit do país esta semana. O Wall Street Journal conseguiu uma cópia do documento.

REGINA CARDEAL, Agencia Estado

28 de julho de 2011 | 15h59

"Nossa recuperação econômica continua muito frágil. Um default nas obrigações de nossa nação ou um rebaixamento do rating de crédito da América seria um tremendo golpe nos negócios e na confiança do investidor - elevando as taxas de juros para todos os que tomam empréstimos, enfraquecendo o valor do dólar e abalando os mercados de ações e bônus - e, portanto, piorando dramaticamente as circunstâncias econômicas já difíceis de nossa nação", diz a carta, assinada, entre outros, pelo executivo-chefe do Bank of America, Brian Moynihan, do Citigroup, Vikram Pandit, do Goldman Sachs, Lloyd Blankfein, e do JPMorgan Chase, James Dimon.

"Dado este risco muito real, as autoridades precisam corrigir nosso rumo fiscal agora, inspirar a confiança do mercado ao pagar todas as nossas contas no prazo e demonstrar que a América é capaz de colocar as diferenças de lado para solucionar nossos problemas mais desafiadores", prossegue a carta.

Todos os signatários são membros do Fórum de Serviços Financeiros, associação integrada pelos executivos-chefes das 20 maiores firmas de serviços financeiros nos EUA. O presidente do grupo, Rob Nichols, também assinou a carta. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
crise da dívidabancoscartaObamaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.