"be water"

Coluna Leandro Miranda: como se moldar à nova economia após a covid-19?

Bancos anunciam redução de juros após corte da Selic

Selic foi reduzida em 1,5 ponto porcentual, para 11,25% ao ano, o maior corte da taxa desde 2003

Gustavo Uribe e Carolina Ruhman, da Agência Estado,

11 de março de 2009 | 20h04

Os bancos anunciaram redução das taxas de juros logo após o anúncio do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que no início da noite desta quarta-feira decidiu reduzir a taxa Selic (juro básico da economia brasileira) em 1,5 ponto porcentual, para 11,25% ao ano.    Veja também:  A evolução da taxa Selic no governo Lula  Selic tem maior corte desde 2003 e cai para 11,25%O Bradesco irá reduzir as taxas de juros cobradas das pessoas físicas e jurídicas a partir de amanhã. Para as pessoas físicas, a taxa mínima do cheque especial irá cair de 4,78% ao mês para 4,70% e a máxima, de 8,56% para 8,44% ao mês. No crédito pessoa física, a taxa mínima será de 3,26% ao mês e a máxima de 5,81%, reduções de, respectivamente, 0,05 ponto e 0,1 ponto porcentual.A linha para financiamento de veículos também teve redução das taxas. No CDC a mínima passou de 1,62% ao mês para 1,55% e a máxima foi reduzida de 2,68% ao mês para 2,62% ao mês. Na modalidade leasing, o piso passou de 1,86% para 1,75% e o teto de 2,79% para 2,69% ao mês.Para as pessoas jurídicas, a taxa mínima de capital de giro foi reduzida de 2% ao mês para 1,98% ao mês e a máxima de 5,04% ao mês para 5,02%. As taxas da Conta Garantida foram reduzidas para 2,05% para 6,96%, queda de 0,5 ponto tanto na taxa mínima quanto na máxima.Itaú UnibancoO Itaú anunciou redução das taxas máximas de produtos para pessoas física e jurídica. A medida visa repassar a queda da Selic para os clientes do banco que utilizam o empréstimo pessoal parcelado e o cheque especial.As taxas máximas do crediário automático para a pessoa física e a jurídica foram reduzidas de 7,01% ao mês para 6,89% ao mês. Já o cheque especial, tanto pessoa física quanto jurídica, teve a taxa máxima cortada de 8,87% ao mês para 8,75% ao mês."Acreditamos que estamos dando nossa contribuição para o estímulo à atividade econômica no Brasil. Ao reduzir novamente suas taxas de juros, o Itaú reforça seu compromisso com o desenvolvimento do País incentivando a expansão da oferta de crédito", afirmou Roberto Setubal, presidente do Itaú. As novas taxas entrarão em vigor a partir de segunda-feira (16).O Unibanco comunicou que reduziu as taxas máximas de juros cobradas no crédito pessoal parcelado e no cheque especial da pessoa física em 0,12 ponto porcentual nas taxas mensais, o que equivale a 1,5 ponto no ano, seguindo a redução da Selic anunciada pelo BC.A redução também irá ocorrer nas taxas máximas cobradas no cheque especial e no capital de giro para as pessoas físicas. As novas taxas do Unibanco entrarão em vigor a partir da próxima segunda-feira, dia 16.Banco do BrasilO Banco do Brasil também informou que reduzirá os juros cobrados nas linhas de crédito destinadas às pessoas físicas e jurídicas, a partir de sexta-feira (dia 13). Em relação às empresas, a instituição anunciou que as taxas mínimas do cheque especial passaram de 5,23% ao mês para 5,11%. As máximas foram reduzidas de 7,81% para 7,69% ao mês.Nas linhas de crédito destinadas às pessoas físicas, foram reduzidas as taxas de cheque especial, de 7,91% para 7,85% ao mês, e de cartão de crédito, de 3,97% a 4,31% para 3,93% a 4,29% ao mês.

Tudo o que sabemos sobre:
jurosbancosSelicCopom

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.