finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bancos aproveitam redução de juro para brigar por novos clientes

Santander e Itaú anunciaram pacotes com condições diferenciadas para quem receber salário nos bancos; BB e Caixa adotaram estratégias semelhantes

Altamiro Silva Júnior, da Agência Estado,

18 de abril de 2012 | 18h37

SÃO PAULO - Além de reduzir juros para não perder espaço no mercado de crédito, os bancos entraram em guerra para atrair novos clientes, principalmente os assalariados. Santander e Itaú anunciaram hoje pacotes com condições diferenciadas e taxas menores para quem optar por receber salário nos bancos. Nos empréstimos, quem for cliente vai conseguir os menores juros e prazos maiores.

Na semana passada, Banco do Brasil e Caixa já haviam anunciado pacotes semelhantes. Hoje, o BB informou que abriu 50,4 mil contas correntes dentro dessa nova estratégia nos quatro primeiros dias úteis após o anúncio, dia 12. Já a Caixa divulgou crescimento de 11% na base de clientes pessoas físicas na primeira semana das novas condições ao cliente ante a semana anterior.

Hoje, o Santander anunciou a criação da conta corrente "light", com um sistema diferente de cobrança de juros no cheque especial. Quanto menos a pessoa usar o limite, menor a taxa de juros do cheque especial. Os juros começam em 4% ao mês para os clientes que utilizem até 25% do seu limite e sobem para 8% para quem usar acima de 50,01%. "A conta Light beneficia aqueles que usam pouco o cheque especial, apenas para uma eventualidade ou imprevisto", destaca o banco em comunicado à imprensa.

O Itaú anunciou hoje o pacote "MaxiConta Portabilidade Salário", voltado a clientes que recebem seu salário em conta corrente do banco. Ao aderir a esse pacote, o cliente tem acesso a taxas de juros reduzidas e maior número de transações bancárias incluídas. Esse pacote estará disponível a partir de 2 de maio.

Segundo o Itaú, os juros para os clientes que aderirem terão redução de até 47%. É o caso da taxa mínima do cheque especial, que será reduzida para 1,95% ao mês. No cartão de crédito, o rotativo passará a ter taxas mínimas a partir de 3,85% ao mês. Para os clientes que aderirem ao pacote e usarem mais de 50% do limite do cheque especial ou do rotativo do cartão de crédito por três meses consecutivos, o banco oferecerá parcelamento do saldo com taxa a partir de 4% ao mês, em até 24 meses.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.