finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bancos Centrais apostam no crescimento da economia mundial

Os dez maiores bancos centrais do mundo, grupo conhecido como o G-10, apostam na retomada da economia internacional nos próximos meses. Reunidos hoje na sede do Banco Internacional de Compensações (BIS), na Basiléia, o G-10 classifica como "significativo" o desenvolvimento da economia nos Estados Unidos e aponta o começo de bons resultados no Japão. Apesar do otimismo, eles alertam que o alto déficit público norte-americano e o fraco desempenho da economia européia poderão inibir um maior crescimento da economia mundial. O presidente do Banco Central francês Jean-Claude Trichet, porta voz do G-10, destaca que a informação mais relevante nos últimos meses se refere à potencial expansão dos investimentos. "Administradores estão cada vez mais confortáveis com a idéia de uma recuperação da economia mundial e vemos algum esperança de aceleração de investimentos. A questão é saber se isso será uma tendência que se manterá ao longo dos meses", afirmou Trichet. EUA, Japão e EuropaRepresentantes do Federal Reserve, o BC norte-americano, relataram que o crescimento da economia dos EUA no segundo trimestre foi "mais significativa do que estava sendo esperado". Sobre o segundo semestre deste ano, o Fed se mostrou otimista e deu indicações de que o crescimento ocorrerá. "Isso nos indica que a recuperação (da economia americana) pode se materializar", disse Trichet. Já no Japão, depois de anos de desempenhos negativos,o G-10 se diz otimista em relação a um crescimento da economia do país. "Temos indicações de que o Japão está produzindo melhores resultados ", afirmou o francês.Mas entre as principais economia do mundo, o problema continua sendo a Europa. Trichet reconhece estar "desapontado" com os fracos resultados do primeiro semestre, afirmou que a economia do continente não deverá crescer mais de 0,7% em 2003, mas está otimista com o próximo ano. "Olhando para frente, temos algumas indicações de que existe potencial de crescimento na Europa. O segundo semestre será bem melhor que o primeiro e retomada se consolidará em 2004", disse.

Agencia Estado,

08 de setembro de 2003 | 16h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.