Bancos centrais chegam a acordo para reduzir risco de crise

Medidas ajustam os novos padrões para regulamentação e supervisão bancária, segundo presidente do BCE

Agência Estado

06 de setembro de 2009 | 19h41

Governadores dos maiores bancos centrais do mundo concordaram neste domingo, 6, em implementar uma série de medidas para fortalecer a regulamentação, supervisão e o gerenciamento do risco dos bancos, para reduzir o risco da eclosão de futuras crises financeiras.

Em encontro no Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês), membros do Comitê de Supervisão Bancária da Basileia, chefiados pelo presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, ressaltaram a necessidade de uma harmonização nas medidas.

"Os acordos alcançados entre as 27 maiores economias do mundo são essenciais, à medida que eles ajustam os novos padrões para a regulamentação bancária e a supervisão num nível global", disse Trichet. As medidas incluirão o aumento da qualidade do capital base Tier 1, e também na introdução de uma relação de alavancagem para suplementar a estrutura do acordo de Basileia II.

Eles também afirmaram que haverá um padrão mundial mínimo para disponibilizar a liquidez de capital e que o tamanho do capital de sustentação acima do nível básico deveria ser determinado por fatores baseados nas variáveis do faturamento e do crédito - que serão revisados pelo Comitê da Basileia - numa tentativa de suavizar impactos provocados por mudanças nos ciclos econômicos.

"Bancos centrais e supervisores responderam a essa crise ao reforçarem a regulamentação, em particular no acordo da Basileia II", disse Nout Wellink, dirigente do Comitê da Basileia e presidente do Banco Central da Holanda, em comunicado. "Nós estamos trabalhando para introduzir uma cobertura na macroeconomia que inclui uma proteção de capital para mudanças nos ciclos, bem como passos práticos para enfrentar os riscos crescentes de bancos sistêmicos e interconectados", disse.

Adicionalmente, os formuladores de políticas publicarão recomendações para reduzir o risco sistêmico associado aos bancos transnacionais, e também ressaltaram a necessidade de uma sobretaxa de capital para mitigar o risco de bancos sistêmicos.

O Comitê da Basileia irá publicar as propostas concretas das medidas até o final deste ano e afirma que o impacto potencial delas será sentido no começo de 2010, com a avaliação dos novos requerimentos completos até o final do próximo ano, informou o BIS. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
BISBancosBasileiacriseBCETrichet

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.