Bancos credores devem integrar ajuda à Grécia, diz partido de Merkel

Segundo porta-voz, medida é sensata porque agregaria as instituições financeiras que especularam contra o país

Danielle Chaves, da Agência Estado,

27 de abril de 2010 | 09h22

Os bancos credores deveriam contribuir para o programa de suporte financeiro para a Grécia e deveria haver uma discussão sobre a solicitação de uma provisão (haircut) para a dívida grega, afirmou Norbert Barthle, porta-voz para orçamento da União Democrata Cristã, o partido da chanceler da Alemanha, Angela Merkel. "Eu apoio isso, é uma coisa sensata a se fazer porque juntaria (ao esforço) os bancos que especularam contra a Grécia", disse Barthle.

 

O político vai participar na quarta-feira, 28, de reunião entre legisladores alemães, o presidente do banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, e o diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn. "As questões serão como eles julgam o pedido grego e quais opções haverão para incluir condições para os empréstimos", afirmou Barthle.

 

"As condições dos empréstimos serão uma questão importante, junto com questões sobre se deveria haver um procedimento de provisão e sobre o que eles acham de uma saída da Grécia da zona do euro", acrescentou. Uma provisão é um desconto aplicado ao preços dos ativos quando se calcula o valor deles como colateral.

 

Barthle disse que não faz sentido a Grécia deixar o bloco do euro e que espera ouvir de Trichet e Strauss-Kahn quais são as perspectivas para um segundo, terceiro e subsequentes anos de um plano de reestruturação grego. Trichet e Strauss-Kahn estarão em Berlim amanhã para discutir sobre a Grécia com legisladores alemães, que devem aprovar um projeto de lei se a Alemanha contribuir com o pacote de ajuda.

 

Segundo Barthle, o governo deverá obter o projeto de lei na próxima semana e enviá-lo para a Câmara Baixa. A aprovação do Parlamento vai depender de todos os partidos de oposição concordarem com um procedimento rápido. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Gréciabanco credoresajudaMerkel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.