Bancos de montadoras podem elevar juros

Depois de garantirem em nota divulgada esta manhã que não elevariam as taxas de financiamento de veículos, os bancos de montadoras voltaram atrás agora à tarde, depois da alta do dólar, e já não sabem mais se haverá aumentos. O presidente da Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef), Luiz Carlos Andrade, havia afirmado em entrevista à Agência Estado que a elevação de 0,5 ponto porcentual na taxa básica de juros (Selic), ontem, não traria impacto no curto prazo nas taxas médias praticadas pelos bancos da entidade nos próximos dias. "As taxas não vão subir", disse Andrade, depois de consultar as associadas da Anef. Os argumentos para a manutenção dos juros eram que a captação dos bancos de montadoras leva em conta o custo do dinheiro no médio e no longo prazo e que o último aumento feito pelas instituições na taxa mensal de financiamento de veículos já teria deixado os juros em sintonia com esse custo, que é em média de 21,50% ao ano, ante 16,25% da Selic.Anef decide sobre taxa de juros até a próxima semanaA alta da dólar esta tarde, entretanto, com a cotação atingindo o pico de R$ 2,216, fez a entidade voltar atrás, admitindo que as novas turbulências podem sim afetar as taxas de financiamento. A Anef deve divulgar um novo comunicado amanhã ou na próxima semana. No final de março, os bancos das montadoras elevaram as taxas mensais médias de 1,88% (25% ao ano) para 2,04% (27,4% ao ano). Com isso, num financiamento de R$ 13 mil, com parcelamento em 36 meses, as prestações passaram de R$ 508,00 para R$ 521,00, o correspondente a R$ 13,00 ao mês ou R$ 468,00 em 36 meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.