Bancos desistem de cobrar tarifa da conta-investimento

Grandes bancos desistiram da cobrança de tarifa na conta-investimento, que começa a vigorar em 1º de outubro. Criada pela medida provisória 179, a conta-investimento permitirá a transferência de recursos de uma aplicação financeira para outra, mesmo entre bancos distintos, sem incidência da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Além do Itaú, que já anunciou a isenção de tarifa aos clientes, o Banco do Brasil (BB), o Bradesco e o Santander Banespa já afirmaram que também não pretendem cobrar pela manutenção da conta. O Unibanco ainda não se manifestou.Apesar de autorizada pelo Banco Central, a cobrança era um ponto que colocava em dúvida a demanda pela conta-investimento, segundo especialistas. Pequenos investidores, que são o alvo do produto, poderiam evitar a abertura para não ter de pagar pela manutenção da conta. Os grandes aplicadores já têm isenção de CPMF por meio dos fundos exclusivos."A decisão de isentar os clientes contribuirá significativamente para a implementação com maior sucesso da conta-investimento", afirma Roberto Setubal, presidente do Itaú. O diretor de Varejo do BB, Paulo Bonzanini, disse que cada investidor do banco terá, automaticamente, uma conta-investimento em 1º de outubro. "Como são 3 milhões de investidores, teremos inicialmente 3 milhões de contas." Novas serão abertas na medida em que outros correntistas iniciarem aplicações.Os bancos médios já tinham manifestado a intenção de isentar os clientes das tarifas. O presidente da Associação Brasileira de Bancos (ABBC), André Jafferian Neto, disse, no início de junho, que a cobrança não estava na pauta das pequenas e médias instituições financeiras. Para ele, a isenção por parte desses bancos deveria pressionar os grandes a reduzir a cobrança.Segundo o diretor do BB, o que fará a diferença na escolha do investidor por uma ou outra instituição financeira será a performance dos fundos de investimento, além da taxa de administração cobrada. Ele acredita que a conta-investimento provocará grande movimentação de recursos dentro dos bancos e poderá também gerar a migração de uma instituição para outra. "Mas todos os bancos tentarão, pelo menos, reter os atuais investidores, melhorando os produtos", disse. "Quem cobrar tarifa na conta-investimento sairá em desvantagem na concorrência do setor."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.