Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bancos devem sobreviver à crise no mercado de crédito

A atual crise no mercado de créditonorte-americano pode causar alguma dificuldade para osprincipais bancos de investimento do país, mas é improvável queseja letal para qualquer um deles. Os adiamentos de 22 bilhões de dólares em títulos de dívidapara financiar as aquisições da rede britânica de farmáciasAlliance Boots [AB.UL] e a montadora norte-americana Chrysleralimentaram os temores de que se o crédito continuar apertando,os bancos de investimento ficarão empacados com bilhões dedólares de empréstimos que ninguém quer. Esses empréstimos que ficam em modo de espera resultam deuma súbita relutância na aquisição de títulos de dívida derisco maior entre os investidores, assustados com a crescenteinadimplência dos proprietários de moradia. A preocupação é deque as empresas tomadoras de empréstimos sejam as próximas. O Citigroup e o JPMorgan Chase são o foco de grande parteda preocupação atual, pois estão entre os cinco principaisconsultores de fusões --uma grande fonte de recursos-- e estãoentre os três primeiros subscritores de dívidas e ações. O problema, entretanto, se espalha entre os bancos deinvestimento e pode afetar outras companhias, como o GoldmanSachs e o Morgan Stanley . O rendimento médio dos bônus junk --aqueles mais arriscadose com maiores retornos-- subiu em mais de meio pontopercentual, para 8,64 por cento na quarta-feira, segundo aMerrill Lynch, exibindo o maior nível em mais de um ano. Onde e quando o menor nível será atingido é o que todostentam descobrir. "Muitos negócios que estavam encaminhados vão sercompletados porque todos esses grandes acordos privados deaquisição que foram acertados não têm saída financeira",afirmou Rob Engel, chefe de fusões e aquisições da WachoviaSecurities, à Reuters. "Esse é o risco que muitos bancos estão assimilando agora." O JPMorgan é líder no conturbado empréstimo da Chrysler. Jáo Citigroup atua em aquisições grandes, incluindo as compraspendentes da empresa de energia TXU Corp e a empresa deprocessamento First Data . Na semana passada, o vice-presidente de finanças doCitigroup, Gary Crittenden, declarou que as receitastrimestrais foram afetadas por causa de quatro empréstimospendentes, alertando que pode ser pior neste trimestre.

JONATHAN STEM, REUTERS

26 de julho de 2007 | 19h12

Tudo o que sabemos sobre:
NEGOCIOSMACROANALISEBANCOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.