Bancos dos EUA precisam levantar mais US$200 bilhões--Goldman

Os 50 maiores bancos dos Estados Unidos precisam levantar mais 200 bilhões de dólares para absorver choques gerados por empréstimos hipotecários de alto risco e outros ativos, afirma o Goldman Sachs. O analista Richard Ramsden disse que os grandes bancos dos EUA enfrentam riscos de aumento de regulação e exigências maiores de capital, o que pesa sobre a rentabilidade (ROE). Ele espera que os problemas nos mercados de consumo e imobiliário acelerem em 2009, aumentando os riscos de capital para os bancos. Ramsden retomou cobertura de grandes bancos dos EUA com uma visão de cautela, alertando para investidores evitarem ações do Citigroup por conta de seu valor incerto e falta de clareza sobre o potencial de lucro. O analista, que classifica a ação do Citigroup como "venda", disse que o terceiro maior banco dos EUA em ativos precisa absorver 29 bilhões de dólares em perdas antes de impostos. O valor de mercado do Citigroup está em cerca de 19 bilhões de dólares, baseado no fechamento de 3,47 dólares por ação na última sexta-feira, de acordo com dados da Reuters. "Não há ativos suficientes no Citigroup para absorver esses tipos de perdas a curto prazo sem uma nova recapitalização", disse o analista no relatório. O Goldman retomou análise sobre o PNC Financial Services Group, Wells Fargo com classificação de "neutro" e voltou a avaliar o JPMorgan Chase, adicionando a instituição à lista de papéis para compra nas Américas. A instituição cortou a nota do Bank of America de "compra" para "neutro" e reduziu preço-alvo da ação do banco de 35 para 7 dólares. A classificação do Bancorp também foi reduzida de "neutro" para "venda", acrescentando os papéis da banco à lista de vendas nas Américas.

REUTERS

26 de janeiro de 2009 | 15h56

Tudo o que sabemos sobre:
BANCOSEUADINHEIRO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.