Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Bancos dos EUA vendem ações para pagar governo

Vários bancos norte-americanos empreenderam esforços para levantar capital nesta terça-feira, na expectativa de agradar os reguladores do país que querem que as instituições tenham um colchão mais forte contra uma recessão profunda, ou de provar que são saudáveis o suficiente.

REUTERS

12 de maio de 2009 | 15h59

Na semana passada os reguladores disseram que o Bank of America precisa de 33,9 bilhões de dólares em capital, e nesta terça-feira o banco vendeu 7,3 bilhões de dólares em ações do China Construction Bank para um grupo de investidores, segundo uma fonte. O banco preferiu não comentar e a empresa chinesa não estava imediatamente disponível.

O U.S. Bancorp vendeu 2,5 bilhões de dólares em ações, sendo 139 milhões de papéis a 18 dólares cada.

O Bank of New York Mellon vendeu cerca de 1,2 bilhão de ações, 20 por cento mais que o esperado, sendo 42 milhões de ações a 28,75 dólares cada.

Ao contrário do Bank of America, esses dois receberam do governo a avaliação de que têm capital suficiente.

O BB&T Corp, que também obteve atestado de saudável, deve vender 1,5 bilhão de dólares em ações.

Os bancos estão entre as 19 instituições que recentemente passaram pelos testes de estresse do governo norte-americano para medir a necessidade de capital delas. Nove receberam a avaliação de capital insuficiente.

O U.S. Bancorp emprestou 6,6 bilhões de dólares do Programa de Alívio de Ativos Problemáticos (Tarp na sigla em inglês), enquanto o Bank of New York Mellon pegou 3 bilhões de dólares e o BB&T emprestou 3,1 bilhões de dólares.

Na segunda-feira, o Capital One Financial Corp, que pegou 3,55 bilhões de dólares do programa, vendeu 1,55 bilhão de dólares em ações.

O Wells Fargo e o Morgan Stanley venderam na sexta-feira respectivamente 8,6 bilhões e 4 bilhões de dólares.

(Por Jonathan Stempel)

Tudo o que sabemos sobre:
CRISEBANCOSTARP*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.