Bancos e montadoras estudam aumento de juros

A alta da taxa básica de juros - Selic - em 0, 5 ponto porcentual, decidida ontem pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), pode provocar alterações nos juros cobrados ao consumidor em linhas de crédito. Instituições financeiras e montadoras ainda não anunciaram mudanças, mas seus representantes afirmam que os juros podem subir. O diretor de produtos do HSBC, Paulo Pessoa, acredita que o aumento da Selic não deverá provocar reajustes das taxas de juros cobradas de clientes pessoa física. Segundo ele, a instituição ainda avalia o impacto da decisão no mercado de juros interbancário.Vale lembrar que o dinheiro que a instituição repassa ao tomador de crédito é aquele que é captado junto a investidores. Isso quer dizer que, para manter o seu lucro e tomando como base os mesmos custos na operação, a instituição teria que cobrar juros mais altos nos empréstimos para também elevá-los ao investidor, já que nessa ponta os juros estão em alta. Para se ter uma idéia, os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 21,000% ao ano, frente a 18,050% ao ano registrados ontem, antes da revisão da Selic. Apesar da forte alta, representantes das instituições de crédito afirmam que esse repasse não deve ocorrer, já que as taxas já estão em níveis muito elevados e o aumento da Selic seria absorvido pela própria instituição. Veja mais informações no link abaixo.O diretor de operações da Losango, Manuel Vieira, adiantou que existe um consenso entre as instituições financeiras em esperar a reação do mercado até o fechamento de amanhã para depois pensar em mudanças. "As instituições que trabalham com crédito direto ao consumidor estão avaliando a reação dos investidores no mercado de juros. Caso as taxas continuem em alta, podem acontecer ajustes na segunda-feira", avaliou.BankBoston, Banco Santader e Banco do Brasil informaram, por meio de suas assessorias de imprensa, que estão avaliando os impactos da elevação da Selic e de um eventual repasse para as taxas de juros ao consumidor. Por enquanto, as instituições não têm nenhuma previsão para reajustes.Montadoras também não realizaram mudançasNo Banco Fiat, o aumento da Selic pode significar uma elevação nas taxas de juros para os financiamento de veículos. Mas, de acordo com diretor comercial da instituição, Marcos Moreira, a direção do banco ainda está em fase de avaliação. O executivo afirma que as taxas para operações com prazos entre 24 e 36 meses devem ser as primeiras a sofrer mudanças. O Banco Volkswagen informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que ainda não alterou suas taxas. E no Banco Ford, os juros também estão inalterados até que se tenha uma idéia do impacto da alta da Selic no mercado de juros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.