Bancos estrangeiros ampliam agências no País

Os bancos estrangeiros devem aumentar a presença no País ampliando a competição no setor com a abertura de novas agências, sendo que para isso o Conselho Monetário Nacional adotou medidas de desburocratização na reunião do dia 24 passado. As instituições financeiras nacionais sob controle direto ou indireto de capital estrangeiro poderão agora solicitar junto ao BC a abertura de novas agências no País, sem a necessidade de aprovação do Conselho Monetário Nacional e de decreto do presidente da República. Ficou mantido o veto para a abertura de novas agências no País, sem autorização do presidente da República, para as instituições financeiras domiciliadas no Exterior. A nova regra permitira a solicitação de abertura de novas agências diretamente ao BC, já que são considerados bancos nacionais pela autoridade monetária. O presidente do BBV Banco, Vicente Benedito, afirma que em um ano o número de agências da instituição saltou de 210 para 416 e tem autorização para 975, que pretende atingir em dois anos. Ele observa que a instituição de capital espanhol quer estar entre os cinco banco múltiplos que sobreviverão no mercado financeiro após os ajustes de fusões e aquisições que deverão ocorrer no sistema nos próximos três a quatro anos. A diretoria do banco Santander (também de capital espanhol) considera a decisão do Conselho Monetário Nacional uma "boa medida", porque coloca os bancos nas mesmas condições para concorrer no mercado, em benefício dos consumidores. Segundo a instituição, uma rede de agências maior torna mais acessível os serviços bancários à população. Pouco efeito prático > - O diretor de Relações Institucionais do HSBC, Hélio Duarte, observa que a medida terá pouco efeito prático na instituição que representa. Segundo ele, o HSBC já "está satisfeito com a rede atual" e deve investir em automação para ampliar o número de negócios com a clientela. O presidente do Citibank, Alcides Amaral, diz que a instituição quer ter um perfil mais agressivo. Hoje o Citibank possui 35 agências no país e autorização para abrir mais 34. Amaral afirma que para a instituição atuar no mercado de varejo precisa ter pelo menos 400 agências. O Conselho Monetária Nacional abriu essa possibilidade para o Citibank, mas Amaral acredita que uma estratégia mais rápida seria a compra de uma instituição financeira. O presidente do Citibank, Alcides Amaral, e o do BBV Banco, Vicente Benedito, deixam claro a intenção de analisar todas as oportunidades de compra de instituições financeiras no País como forma de expansão. O BankBoston quer dobrar o número de clientes até 2003 e conseguir entre 20% e 25% de um nicho formado por 1,3 milhão de famílias com renda em torno de R$ 7,5 mil por mês. Segundo o presidente do banco, Geraldo Carbone, para isso, a instituição terá que obter entre 3,5 mil e 4 mil novas contas ao mês em 2001 sem investimentos novos na expansão de agências. Instituições como o JP Morgan Chase informam, por outro lado, que querem manter um perfil atacadista no Brasil e negam interesse em abrir agências no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.