Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Bancos evitam regras para tarifas

No momento em que governo e Congresso estudam o assunto, a Febraban propõe a auto-regulamentação

Isabel Sobral, O Estadao de S.Paulo

26 de setembro de 2007 | 00h00

Na tentativa de demonstrar ao governo que os bancos querem elevar a competição na cobrança de tarifas, independentemente de norma do Banco Central (BC), o presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Fabio Barbosa, defendeu ontem a auto-regulamentação do setor nesse tema.  Compare as tarifas dos bancos Em reunião de quase duas horas com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, Barbosa apresentou o recém-criado Sistema de Divulgação de Tarifas de Serviços Financeiros (Star), já disponível na página eletrônica da Febraban (www.febraban.com.br), que permite comparar as tarifas de 46 produtos e serviços de 11 instituições.''''O Star unifica nomes e permite a comparação pelo público. A gente veio mostrar essa condição de transparência que o setor bancário está preocupado em dar à cobrança de tarifas'''', afirmou Barbosa.Ontem, na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, o presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, disse que o BC e o Ministério da Fazenda estão atentos à evolução da cobrança das tarifas e confirmou que um grupo de técnicos dos dois órgãos e da Comissão de Direitos do Consumidor da Câmara dos Deputados está fazendo um estudo sobre o assunto.Meirelles ressaltou, no entanto, que a existência de estudos não significa que haverá tabelamento das tarifas. O desafio do grupo é pensar políticas que estimulem a concorrência entre os bancos.Segundo o presidente da Febraban, esse é também o papel da entidade. ''''Hoje existe uma variação muito grande de valores de tarifas, o que demonstra que há alguma concorrência'''', afirmou Barbosa.O site do Banco Central na internet (www.bc.gov.br) também dispõe de serviço para comparação de tarifas.Segundo Barbosa, o site da Febraban usa termos unificados e mais conhecidos dos clientes bancários. Além disso, os 46 tipos de serviços estão divididos em sete grupos temáticos. A meta da Febraban é ampliar o número de bancos participantes do Star até o fim do ano.Barbosa elogiou a criação do grupo de trabalho da equipe econômica e da Comissão de Defesa do Consumidor. ''''Assim se coloca mais luz sobre o tema, mostrando que, se há algum ponto fora da curva, ele não é a regra em todo o sistema'''', comentou.Os parlamentares defendem que o governo edite uma resolução que estabeleça um teto para a cobrança de tarifas e defina alguns serviços que não poderiam mais ser tarifados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.