coluna

Carolina Bartunek: ESG, o que eu tenho a ver com isso?

Bancos globais devem ter base forte, recomenda grupo do G-20

Equipe de trabalho define 25 recomendações para melhorar a saúde do sistema financeiro e evitar crises futuras

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

31 de março de 2009 | 12h02

As instituições financeiras globais devem construir bases de capital suficientemente fortes quando o ambiente econômico estiver positivo para que possam resistir melhor aos períodos de turbulência financeira, recomendou um grupo de trabalho do Grupo das 20 nações industrializadas e em desenvolvimento (G-20).

 

Veja também:

link Banco Mundial propõe a G-20 fundo de US$ 50 bi para comércio

especialEntenda o que está em jogo na Cúpula do G20, em Londres

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

"Uma estrutura de liquidez global efetiva para administrar a liquidez em grandes instituições financeiras internacionais deve incluir níveis definidos internacionalmente de colchões de capital", afirmou o Grupo de Trabalho para Melhora da Regulação e Fortalecimento da Transparência, em comunicado.

 

O comunicado, preparado para o encontro do G-20 em Londres, define 25 recomendações para melhorar a saúde do sistema financeiro global e evitar crises futuras.

 

"O desafio básico é que a regulação e a supervisão financeiras até o momento têm sido basicamente nacionais, embora instituições financeiras internacionais tenham crescido de forma tremenda", afirmou Rakesh Mohan, vice-presidente do Reserve Bank of India e copresidente do grupo de trabalho.

 

Mohan disse a repórteres que, embora aumentar a exigência de capital seja uma meta para o médio prazo, "é vital que as exigências de adequação de capital permaneçam inalteradas até que a crise seja resolvida".

 

O grupo de trabalho também demonstrou preocupação sobre fundos de hedge e outros conjuntos privados de capital, afirmando que eles devem ser registrados junto às autoridades financeiros e divulgar mais informações.

 

"Você não pode necessariamente querer regular todos os fundos de hedge, mas você pode querer informações deles e querer supervisão para que os reguladores saibam se querem ou não regulá-los", disse Mohan.

 

As agências de rating de crédito também devem ser reguladas com base em uma estrutura consistente nos países para melhorar a transparência e evitar conflitos de interesse, afirma o comunicado do grupo.

 

O documento aponta ainda que as instituições financeiras devem ter incentivos claros para promover a estabilidade e devem evitar esquemas de compensação que exijam assumir riscos excessivos, enquanto os reguladores devem melhorar a vigilância das estruturas de compensação.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraG-20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.