bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Bancos investem para melhorar atendimento

A necessidade de conhecer o cliente é preocupação que vem de longe e se tornou popular no País por meio do comerciante da esquina que costumava separar compras ou armazená-las em cadernetas para serem pagas no fim do mês. Com a massificação do comércio e das instituições financeiras, essa relação praticamente desapareceu. Mas a briga pela conquista de clientes tem levado alguns bancos a resgatar essa prática pela elaboração de sistemas eletrônicos.Para o cliente de banco, a relação será mais satisfatória, diz o consultor da empresa Start2know, Armando Bruck. O cliente que investe não receberá mala direta sobre financiamentos, exemplifica. "Outra vantagem, dependendo da instituição, está na possibilidade de que, num contato do cliente com o banco, o atendente tenha acesso eletronicamente ao seu histórico e seu saldo, aconselhando-o de acordo com seu perfil."O sistema de banco de dados eletrônico faz parte da primeira etapa do Consumer Relationship Management (CRM), como é chamado o controle do relacionamento com o cliente. O segundo passo consiste no uso desses dados em estudos para o aperfeiçoamento da relação, explica Bruck, que atua no CRM do Banco Sul América.O Investa é outra instituição que já está desenvolvendo projetos voltados para essa área. O vice-presidente de Tecnologia do site, Roberto Gonçalves, afirma que dispõe de um sistema de reconhecimento de voz por telefone e outro de integração de todos os canais de atendimento.Como o site pertence ao Itaú, é possível que o banco incorpore alguns desses serviços a suas agências. Mas a idéia é que os bancos mais populares levem ainda algum tempo para ofertar esse novo sistema à clientela. Gonçalves explica que é difícil mudar toda a base de informações de uma empresa já consolidada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.