Bancos já elevam juro de financiamento de veículos

Decisão antecipa resultado da reunião do Banco Central na próxima semana, que vai discutir a taxa de juro; bancos receiam ter perdas, caso a Selic suba 1 ponto

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2010 | 00h00

Num movimento preventivo, alguns bancos iniciaram o aumento da taxa de juros para o financiamento de veículos, antecipando-se à reunião do Banco Central que será realizada na próxima semana. Concessionários de São Paulo já receberam novas tabelas do Itaú ontem e foram informados por outras instituições que farão o mesmo a partir de segunda-feira. No Itaú, a taxa para os concessionários subiu de 1,31% para 1,48% ao mês.

Pelo menos dois grandes feirões de veículos novos que seriam realizados na capital paulista neste fim de semana foram cancelados por falta de parceria com os bancos, tradicional nesses eventos. O receio dos bancos, segundo uma fonte do setor, é oferecer juro baixo agora e depois ter perdas caso a taxa Selic suba 1 ponto porcentual, conforme apostam analistas do mercado. Um dos feirões seria no Sambódromo, no Anhembi.

Procurado, o Itaú Unibanco reconheceu que houve alteração nos juros e atribuiu a "adequação" das taxas ao aumento do custo de captação do dinheiro.

Ainda assim, o consumidor tem várias opções na cidade entre hoje e amanhã. A General Motors realiza feirão na fábrica de São Caetano do Sul, no ABC paulista, com 5 mil carros à venda sem a volta integral do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), em vigor desde o dia 1.º. Estão sendo oferecidos planos de financiamento sem entrada e prazo de pagamento de até 60 meses, com redução de 50% nas primeiras 12 parcelas.

O grupo Pavilon, com três revendas Peugeot, fará sozinho um evento no estacionamento do Center Norte, com mil carros à venda, todos sem o repasse do IPI. O diretor comercial do Pavilon, Wilson Goes, cita como exemplo o modelo 307 Presence 1.6, à venda com R$ 7 mil de desconto, por R$ 45,9 mil. Pelas suas contas, com o repasse do IPI e a alta da Selic, a tendência é de um carro na faixa de R$ 40 mil subir cerca de R$ 2 mil.

Estoque. A maioria das revendas ainda tem carros com IPI menor. As versões que foram faturadas neste mês, com o aumento do imposto, de 3% a 4,3%, só são oferecidas ao cliente se não há outra similar com o benefício.

Com isso, as lojas continuam movimentadas. Até o dia 22 foram licenciados 195,1 mil veículos, 5% a mais ante igual período de março, mês recorde de vendas, com 353 mil unidades. Parte dos licenciamentos, porém, é de modelos que foram adquiridos em março e emplacados neste mês. As montadoras projetam 270 mil unidades para abril.

"O mercado teve retração de 15% neste mês em relação a março, mas ainda assim está melhor do que eu esperava", disse Aba Moshe Lewkowicz, da Aba Motors. Segundo ele, o repasse do IPI está sendo pulverizado nas prestações do financiamento, o que tem ajudado o consumidor a "absorver o aumento".

Um milhão. Na segunda-feira, as vendas de veículos no País vão atingir a marca de 1 milhão de unidades acumuladas desde janeiro, marca que está sendo atingida 18 dias antes em relação ao ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.