finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bancos negam compras em reais em sites e estabelecimentos estrangeiros

Medida tem como objetivo tornar a transação mais transparente ao mostrar ao cliente que o pagamento será pelo fechamento da fatura mais IOF

ANNA CAROLINA PAPP, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2013 | 02h11

Ao passear por lojas no exterior ou navegar em sites estrangeiros à procura de um bom negócio, muitos brasileiros se deparam com a possibilidade de cotar o valor das compras no cartão de crédito em reais. No entanto, a partir deste mês, alguns bancos passarão a bloquear a conversão imediata para reais em compras estrangeiras, que terão de ser fechadas na moeda local.

A medida, recomendada pela Associação Brasileira das Empresas de Cartão de Crédito (Abecs), é facultativa. Caso queiram aderir, os bancos devem avisar os clientes com 30 dias de antecedência.

Bancos como Santander, Itaú e Bradesco seguirão a diretiva da associação. No Itaú, a medida passa a valer no próximo dia 30. Já o Bradesco informou que está avisando seus clientes de forma gradativa. Banco do Brasil, Caixa e HSBC afirmaram que ainda estão avaliando a questão.

Em carta aos clientes, o Itaú afirmou: "(...) muitas vezes o estabelecimento deixa de informar que a compra continua sendo uma transação internacional e será lançada na fatura em dólares, com incidência do IOF de 6,38% e possibilidade de variação entre a cotação do estabelecimento e a da data de fechamento da fatura".

Diferença. Segundo o diretor executivo da Abecs, Ricardo Vieira, a recomendação surgiu com base no crescimento das reclamações de consumidores, que com frequência levavam sustos na hora de conferir a fatura do cartão - o valor era sempre maior do que o esperado.

"Você visita um site ou uma loja e a pessoa te oferece a possibilidade de pagar em reais - mas não te avisa nada. Você acha que vai pagar ao banco aquele valor, mas não é verdade", diz. " Quando essa transação vem ao Brasil, o cliente vai pagar em reais o equivalente ao valor em dólar da data do pagamento da sua fatura - acrescido de 6,38% de IOF. É um ruído, o cliente não entende nada."

O diretor diz que muitos estabelecimentos não informam sobre o IOF, imposto de 6,38% sobre a compra no exterior, e muito menos que aquele valor em reais é uma estimativa - por vezes duvidosa -, ainda sujeito à variação cambial. "Sob o ponto de vista do consumidor, é uma desinformação tremenda, porque em quase nenhum site ou loja lá fora eles te avisam que o câmbio é o do fechamento da fatura, e não o da compra", diz.

De acordo com Vieira, a medida visa dar mais transparência ao mecanismo da transação e lembrar o consumidor de que o valor está sujeito a alterações.

A associação nega que a diretiva é fruto da recente escalada da moeda norte-americana, mas assume que "quando a diferença não era muita, era menos perceptível" para o cliente. "Na conta sempre vinha uma diferença, mas ninguém se dava conta disso. Agora, se o sujeito viu o valor em reais com dólar a R$ 2,10 e, no fechamento do cartão, estava R$ 2,45, imediatamente pensa que alguém o está roubando", aponta o economista Mauro Calil.

Foi o que aconteceu com a gerente de marketing digital Bruna Maba, de 28 anos. Para rachar os gastos com o frete, ela, que queria acessórios para celular, como capinhas e carregadores, juntou-se a outros amigos para fazer um pedido online. "O site garantia que não haveria nenhuma cobrança adicional, e a compra foi efetuada em real. Chegando a fatura, o valor era bem mais caro, além do danado do IOF", diz.

Renan Ferracioli, assessor chefe do Procon-SP, lembra ainda que parte da variação cambial vinha sendo absorvida pela indústria dos cartões, que por vezes assumia a diferença para evitar problemas com o cliente. "O consumidor não pode ser prejudicado. Há muitos sites e lojas que não são sérios, colocam uma cotação da cabeça deles e omitem informações - tudo para induzir o consumidor ao erro", diz.

Alternativas. Para evitar uma oscilação cambial entre a compra e o pagamento, o cliente pode solicitar ao banco a antecipação da fatura. No Bradesco, por exemplo, as bandeiras Visa, MasterCard e Elo permitem antecipação em até dois dias antes do vencimento; a Amex, em até dez.

"O consumidor também pode usar um cartão pré-pago no exterior, que já tem o dólar travado na compra", diz Mauro Calil. Além disso, os pré-pagos cobram IOF de 0,38% sobre as transações, enquanto a taxa do cartão de crédito é de 6,38%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.