''Bancos podem precisar de mais capital''

Para Greenspan, instituições dos EUA vão necessitar de colchão maior

Agências internacionais, MUMBAI, O Estadao de S.Paulo

08 de setembro de 2009 | 00h00

O ex-presidente do Fed Alan Greenspan disse ontem que os bancos americanos vão precisar de mais capital do que têm atualmente. "Mesmo em períodos sem crise, sem euforia, precisaremos ter um colchão muito maior do que atualmente temos", disse.

Greenspan, que deixou o Fed em 2006 após 18 anos à frente da instituição, disse que uma folga considerável na economia mundial sugere que a taxa de inflação global, excluindo alimentos e combustíveis, deve cair até meados de 2010.

No entanto, volumes maciços de liquidez injetados no sistema bancário pelos bancos centrais ao redor do mundo poderiam fortalecer pressões inflacionárias, alertou.A menos que os bancos centrais neutralizem o amplo aumento em seus ativos, a inflação começará a subir, acrescentou.

"Isso é crucial, mas precisa ser feito e não será fácil fazer", disse Greenspan.

Segundo ele, a economia dos Estados Unidos pode registrar uma inflação de dois dígitos. "A menos que retiremos todo este grau de expansão, estaremos com problema. Eu não estou falando de uma inflação de 3%-5%, estou falando de uma inflação de dois dígitos nos EUA", disse Greenspan em uma videoconferência em Mumbai, Índia.

Ele disse que a inflação nos EUA pode começar a se acelerar em algum momento em 2012 a menos que medidas sejam tomadas para reduzir a imensa base monetária.

Sobre a bolha econômica, disse que o problema crítico não é identificá-la e sim o que fazer para esvaziá-la sem afetar o crescimento.

Críticos argumentam que sob a liderança dele o Fed manteve empréstimos sob custos muito baixos por muito tempo depois da recessão de 2001, iniciando a bolha de crédito fácil que contribuiu para a crise financeira global.

Desde dezembro do ano passado, o Fed vem mantendo sua taxa de juro de curto prazo em um nível extremamente baixo - mirando efetivamente uma taxa zero -, enquanto tenta ajudar a orquestrar uma recuperação tanto nos mercados financeiros quanto na economia mais ampla. Com uma recuperação começando a se mostrar, alguns estão preocupados com a continuação da atual política, que pode alimentar uma disparada na inflação.

Recentemente, o Fed disse que vai concluir suas compras de US$ 300 bilhões em títulos e vai desacelerar as compras restantes com objetivo de proporcionar uma transição suave da posição de afrouxamento monetário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.