Bancos privados devem acelerar concessão de crédito, diz Altamir

O chefe do Departamento Econômico do Banco Central acredita que concesão de crédito terá acumualdo alta de 23 % até fim do ano

Fabio Graner, da Agência Estado,

26 de maio de 2010 | 12h52

O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes, afirmou esperar que os bancos privados acelerem o ritmo de crescimento do crédito, enquanto os bancos públicos tenham uma perda de ritmo. Atualmente, mencionou, as instituições financeiras públicas acumulam em 12 meses uma expansão de 29,5%, enquanto os privados nacionais, alta de 14,9% e os estrangeiros, de 1,3%. No final do ano, Altamir acredita que os bancos públicos terão acumulado alta de 23%- uma desaceleração, portanto, em relação ao nível atual -, mesma taxa prevista para as instituições privadas nacionais. Para os privados estrangeiros, o BC trabalha com crescimento de 8% no ano. "Vai-se observar uma ação mais forte dos bancos privados nacionais e estrangeiros, o que deve dinamizar o crédito livre", afirmou Altamir.

Com a crise de fim de 2008 e início de 2009, os bancos públicos, como parte da política anticíclica do governo federal, atuaram de forma incisiva e tomaram em meados do ano passado a dianteira no estoque de crédito. Mas do final de 2009 até abril, os bancos privados nacionais têm, ainda em ritmo lento, recuperado seu espaço.

Em dezembro de 2009, o crédito dos bancos públicos representava 18,7% do Produto Interno Bruto (PIB) e o das instituições privadas nacionais, 18,0% do PIB, ou seja, uma diferença de 0,7 ponto porcentual do PIB. Em abril, a diferença ficou em 0,5 ponto porcentual - 18,8% do PIB para os bancos públicos e 18,3% para os privados nacionais. As instituições financeiras estrangeiras, mais afetadas pela crise internacional e redução das fontes de financiamento externo, seguem patinando, detendo um estoque de crédito de 8,1% do PIB em abril, ante 8,3% do PIB em dezembro.

Tudo o que sabemos sobre:
créditoAltamir LopesBanco CentralPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.