finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Bancos prometem juro menor: faça as contas e encontre a melhor proposta

O site Economia & Negócios publica uma calculadora para você comparar as taxas entre bancos

Mariana Congo, do Economia & Negócios,

19 de abril de 2012 | 06h44

SÃO PAULO - Resultado da reunião do Copom desta quarta-feira, 18, o Banco Central (BC) anunciou redução de 0,75 ponto no juro básico da economia (Selic), para 9% ao ano. Foi o sexto corte seguido. Antes, Bradesco e Itaú-Unibanco se uniram ao HSBC e Santander e divulgaram redução das taxas em várias linhas de empréstimo para pessoa física e micro e pequenas empresas. O movimento segue a pressão do governo pela queda dos juros, com o exemplo dos bancos públicos Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil, os primeiros a anunciar taxas menores no início de abril.

Para quem está com uma dívida em andamento ou já caiu na inadimplência, a redução das taxas de juros pelos principais bancos brasileiros torna o momento mais própicio à renegociação. Se o consumidor já está com sua capacidade de pagamento comprometida, o primeiro passo é renegociar seus débitos com o banco credor, segundo especialistas.

"O consumidor tem um incentivo maior para renegociar, pois tem a oportunidade de trocar uma dívida cara por uma barata", afirma o professor e coordenador do curso de administração do Ibmec, Eduardo Coutinho. Portanto, vale a pena comparar as taxas nas diferentes linhas de financiamento - crédito pessoal, cartão de crédito, consignado e financiamento de veículos - e pesquisar também entre bancos.

Outra opção para aproveitar a concorrência entre as instituições é a portabilidade bancária. O instrumento ainda é pouco conhecido pelos brasileiros, apesar de estar disponível desde 2006. A portabilidade permite a transferência da dívida de um banco para outro que ofereça juros ou tarifas menores. Segundo o Banco Central, a modalidade cresceu 55,9% entre fevereiro e março deste ano.

O banco que recebe a dívida transferida, no entanto, precisa aceitar a troca, depois de análise de risco, segundo o professor da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi), Silvio Paixão. Por isso, em geral somente os consumidores que estão com os débitos em dia conseguem fazer a portabilidade em busca de melhores taxas.

Confira nas calculadoras abaixo a diferença entre a prestação que você está pagando e a que você pagaria em outra linha de crédito ou outro banco:

 

Tudo o que sabemos sobre:
jurobancos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.