Bancos públicos continuam a puxar o aumento do crédito

Crescimento foi de 15,3% em 12 meses até maio; ritmo é mais brando do que o visto no ano passado

Célia Froufe, Victor Martins, O Estado de S. Paulo

23 de junho de 2015 | 12h13

BRASÍLIA - Os bancos públicos continuam a puxar o aumento do estoque de crédito em maio, ainda que em um ritmo mais brando do que o visto no ano passado. De acordo com dados divulgados nesta terça-feira, 23, pelo Banco Central, houve avanço de 4,3% nos primeiros cinco meses de 2015 nesse segmento, para um total de R$ 1,693 trilhão. Apenas em maio, o crescimento foi de 1,1% e, em 12 meses até o mês passado, de 15,3%.

Nos bancos privados nacionais, o estoque caiu 1,4% nos primeiros cinco meses de 2015, para R$ 940,243 bilhões. Em maio houve estabilidade e, em 12 meses encerrados no mês passado, avanço de 3,2%. Já nos estrangeiros, houve alta de 1,4% no ano até maio, para R$ 447,315 bilhões. A alta mensal foi de 0,5% e a em 12 meses, de 7,1%.

A inadimplência nas instituições privadas ficou estável em maio ante abril. Nas oficiais teve leve alta no período de 0,1%. As provisões subiram de 3,8% para 3,9% nos bancos públicos; de 6,8% para 6,9% nos nacionais privados; e ficaram estáveis em 5,2% nos estrangeiros.

Habitação. As operações de crédito direcionado para habitação no segmento pessoa física cresceram 1,0% em maio ante abril, totalizando R$ 465,122 bilhões, de acordo com o Banco Central. Nos primeiros cinco meses deste ano, a expansão foi de 7,8% e, em 12 meses até maio, de 24,5%. 

Segundo o BC, R$ 61,667 bilhões se referem a empréstimos a taxas de mercado e R$ 403,455 bilhões a taxas reguladas. O BC deixou de incorporar nestes dados as operações com crédito livre, por serem residuais. 

As operações a taxas de mercado apresentaram recuo de 0,1% no mês, mas alta de 4,4% no acumulado do ano até o mês passado e de 18,8% em 12 meses até maio. Já os financiamentos a taxas reguladas avançaram 1,2% ante o mês anterior, 8,3% no ano e 25,4% em 12 meses até maio.

Veículos. O estoque de operações de crédito livre para compra de veículos por pessoa física recuou 1,0% de abril para maio. Com isso, o total de recursos para aquisição de automóveis por esse grupo de clientes ficou em R$ 175,705 bilhões no mês passado - em abril o volume foi de R$ 177,552 bilhões. Nos primeiros cinco meses do ano, a queda nesse tipo de crédito é de 4,6% e, em 12 meses até maio, de 6,6%.

As concessões acumuladas em maio para financiamento de veículos para pessoa física somaram R$ 6,402 bilhões, o que representa uma baixa de 2,1% em relação ao mês anterior (R$ 6,537 bilhões). Nos cinco meses de 2015, porém, a queda desse segmento foi de 9,5% e, em 12 meses, de 3,0%. 

Por setor. Apesar do desaquecimento da economia cada vez mais evidente, foi constatada uma queda do estoque de crédito em maio apenas na agricultura em maio. Nos demais setores de atividade, indústria e serviços, houve elevação no período. Desde janeiro, o Banco Central passou a divulgar estas informações por segmento em sua nota de crédito.

O crédito para o setor de serviços ficou em R$ 818,406 bilhões em maio e teve uma alta de 0,8% na comparação com abril. Dentro desse setor, apenas o comércio registrou baixa, com retração de 0,5% no período e ficou em R$ 296,430 bilhões no mês passado. Em transporte, ficou subiu 1,5%, com R$ 160,289 bilhões. Na administração pública, houve alta de 2,7% para R$ 107,343 bilhões. A categoria "outros" subiu 1,2% para R$ 254,343 bilhões.

Para a indústria, o crédito aumentou 0,7% em maio, na margem, para R$ 748,391 bilhões. Os segmentos mais prejudicados foram o da construção, com queda de 0,1%, com um total de R$ 111,971 bilhões e o de extrativa, que teve baixa 0,8% em maio, para R$ 38,135 bilhões. A indústria de transformação avançou 0,7% no mês, para R$ 451,353 bilhões. Já os serviços industriais de utilidade pública (SIUP) registraram aumento do crédito de 1,7% no mês passado, para R$ 146,932 bilhões. 

Para o setor agropecuário, o crédito minguou 0,2% em maio ante abril e ficou em R$ 23,865 bilhões. Além dos três setores, o Banco Central registrou alta de 4,2% em maio no estoque de crédito para pessoa jurídica com sede no exterior e créditos não classificados para R$ 36,060 bilhões.

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    Banco Centralcrédito

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.