Bancos querem acordo coletivo no caso Libor, dizem fontes

Um grupo de bancos que está sendo investigado no escândalo de manipulação da Libor está buscando um acordo coletivo com autoridades para encerrar o caso em vez de agirem separadamente, como fez o Barclays, disseram fontes familiarizadas com os planos.

Reuters

20 de julho de 2012 | 13h40

Essas negociações estão nos estágios iniciais, e ainda não está claro se os reguladores vão aceitar participar das tratativas, cujo objetivo é arquivar as acusações de que os bancos tentaram manipular a Libor, indexador de empréstimos interbancários que é referência para trilhões de dólares em contratos no mundo.

O Barclays foi o primeiro a fazer um acordo com reguladores dos Estados Unidos e Reino Unido, pagando uma multa de 453 milhões de dólares e admitindo responsabilidade no caso em 27 de junho. O presidente-executivo da instituição Bob Diamond deixou o cargo na semana seguinte, cedendo à pressão pública e ao dano à imagem do banco.

As fontes disseram à Reuters que nenhum dos bancos envolvidos quer, no momento, ser o segundo da fila, por medo de receber o mesmo tratamento hostil por parte de políticos e da opinião pública. As negociações sobre uma acordo conjunto começaram antes do Barclays anunciar o dele e emperraram quando isso aconteceu.

Ainda não está claro que bancos podem fazer parte das negociações coletivas. Os que estão sob investigação são Citigroup, HSBC, Deutsche Bank e JPMorgan Chase. Todos se negaram a comentar o assunto.

Tudo o que sabemos sobre:
BANCOSACORDOCOLETIVOLEGALLIBOR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.