Bancos reduzem taxas de juros

Banco do Brasil (BB) e Bradesco anunciaram reduções de até um ponto porcentual nos juros do cheque especial. Diretorias de outras instituições passaram o dia avaliando prováveis cortes nas taxas. Foi assim que os bancos reagiram à decisão do Banco Central (BC), de reduzir de 55% para 45% o compulsório sobre os depósitos à vista. Estima-se que a medida liberará R$ 3,3 bilhões para a economia a partir do fim do mês.As financeiras, que não têm depósitos à vista, mantêm, por enquanto, os juros ao consumidor. Elas aguardam uma queda no custo de captação do dinheiro. Bancos de montadoras anunciam corte nas taxas de juros para financiamento de veículos a partir da próxima semana. Veja mais informações no link abaixo.A queda no compulsório pode impulsionar ainda mais o volume de crédito que, de janeiro até a terceira semana de maio, já cresceu cerca 40% na aquisição de bens, 30% no crédito pessoal e 14% no cheque especial, segundo o BC. Alguns bancos já anunciam reduções O Bradesco anunciou que a taxa máxima mensal do cheque especial cai de 8,8% ao mês para 7,8% a partir de hoje. A taxa mínima mensal também recua, de 2,64% para 2,30%. No crédito pessoal, a queda é de 0,1 ponto porcentual nas taxas mínimas e máximas. A partir de segunda-feira, o BB reduzirá os juros do cheque especial, do cartão de crédito e das operações de crédito direto ao consumidor. Os juros do cheque especial para clientes preferenciais serão reduzidos de 2,95% ao mês para 2,10%. Nas operações em que as taxas são mais altas, os juros cairão de 8,5% para 7,79% ao mês. Os juros do cartão de crédito cairão de 8,5% para 8% nas operações de crédito rotativo e, nas compras parceladas, as taxas se reduzirão de 5,1% para 4,9%. As taxas do "cheque veículo" usado na compra financiada de automóveis vão recuar de 2,55% para 2,4% ao mês.Já o Banco Sudameris foi mais cauteloso e decidiu reduzir a taxa máxima do cheque especial de 10,7% ao mês para 9,9% a partir de 1º de julho. O Unibanco anunciou que reduzirá os juros do cheque especial, para pessoa física e jurídica, mas não definiu ainda os novos porcentuais e a data em que passarão a valer. A Caixa Econômica Federal discutirá se reduz ou não as taxas na próxima semana.O BBVA está analisando as taxas dos cheque especial, do crédito pessoal e do crédito consumidor para ajustes nos próximos dias. A assessoria do Banco Itaú informou que as taxas estão sendo avaliadas. O mesmo ocorre com o Banco Santander. Financeiras aguardam queda do custo de captação Até ontem, somente o Banco Zogbi, que atua como financeira, havia reagido ao corte no compulsório. A instituição decidiu cancelar o aumento de 1,5 ponto porcentual nos juros, programado para esta semana, por conta da queda do compulsório. Grandes financeiras, como Losango, Fininvest e Cacique, mantêm, por enquanto, os juros, aguardando as reduções no custo de captação. O Banco Alfa informou que o custo de captação está ao redor de 21% ao ano para operações de 720 dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.