David Gray/Reuters - 27/10/2010
David Gray/Reuters - 27/10/2010

Bancos retomam crédito e fluxo beneficia o Brasil

Só a China supera o País entre os emergentes que mais receberam financiamentos externos

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2011 | 00h00

Dois anos depois da crise que secou o sistema financeiro, os bancos voltam a emprestar. Dados divulgados ontem pelo Banco de Compensações Internacionais (BIS) indicam que o fluxo de linhas de crédito e de empréstimos volta a crescer, ainda que as quedas de 2008 e 2009 estejam longe de serem compensadas. O Brasil foi o segundo país emergente que mais se beneficiou dos créditos externos em 2010, superado apenas pela China.

Segundo o BIS, bancos em todo o mundo emprestaram US$ 30,9 trilhões no terceiro trimestre de 2010, US$ 623 bilhões a mais que no trimestre anterior. A alta, de 2,2%, é a maior no período pós-crise.

Para a America Latina, essa taxa chega a 9,8%. Em 2008, US$ 1,5 trilhão sumiu do sistema. Em 2009, bancos foram ainda mais hesitantes em emprestar e o fluxo caiu em quase US$ 2 trilhões.

O comportamento dos bancos apenas fez a crise aumentar, já que empresas deixaram de ter acesso a créditos, não conseguiram rolar suas dívidas e acabaram quebrando. O resultado foi o aumento do desemprego.

Por meses, governos injetaram recursos no sistema financeiro para incentivar bancos a voltarem a emprestar. Mas a volta das linhas de crédito levou dois anos para ocorrer, já que muitos ainda temiam turbulências e incertezas em diversos mercados.

Os empréstimos aos países emergentes também chegaram a cair no início da crise, mas logo foram retomados. O maior problema era a situação nos países ricos.

No segundo trimestre de 2010, por exemplo, Estados Unidos e Europa ainda registravam uma queda de US$ 133 bilhões em empréstimos de bancos.

No terceiro trimestre, porém, a tendência foi revertida e emprestaram US$ 441 bilhões a mais. Nos Estados Unidos, a alta foi de US$ 174 bilhões no terceiro trimestre, depois de uma retração de US$ 309 bilhões no ano de 2009 em empréstimos.

Brasil. No caso do Brasil, o País havia perdido US$ 7,6 bilhões em 2008. Mas já se recuperou em 2009. Em 2010, os créditos explodiram. Foram US$ 20,9 bilhões a mais de empréstimos externos no primeiro trimestre, US$ 22 bilhões a mais no segundo trimestre e, entre julho e setembro, o País recebeu o volume recorde de US$ 27 bilhões extras em relação ao que havia acumulado nos meses anteriores.

A grande parte era de créditos de bancos estrangeiros a bancos nacionais. Mas o setor industrial conseguiu empréstimos de US$ 10 bilhões.

No total, as linhas de crédito estrangeiras acumuladas atingiram a marca de US$ 230 bilhões em setembro de 2010, a segunda maior entre todos os emergentes. Em dezembro de 2008, esse volume estava a US$ 150 bilhões.

Os bancos mais expostos ao Brasil são os europeus e americanos. Os números brasileiros de 2010 só são superados pela China. No terceiro trimestre, Pequim recebeu empréstimos externos de mais de US$ 30 bilhões. Em 2010, somou US$ 291 bilhões em estoques.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.