Bancos são rebaixados nos Estados Unidos e na Europa

Sete instituições italianas tiveram notas reduzidas pela Standard & Poor's e a Moody's mexeu nas notas de outras três

ROMA, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2011 | 03h07

A agência de classificação de risco de crédito Standard & Poor's cortou ontem as notas de quatro bancos italianos - um efeito da recente decisão da agência de rebaixar o rating soberano da Itália. Já as instituições financeiras americanas Bank of America (BofA), Wells Fargo e Citigroup foram rebaixadas pela Moody's.

Por meio de nota divulgada ontem, a S&P informou ter rebaixado o rating de crédito de longo prazo dos bancos Intesa Sanpaolo SpA e Mediobanca SpA de A+ para A, de forma a colocar as notas das instituições financeiras em linha com as do país.

Na segunda-feira, a S&P rebaixou o rating soberano da Itália também de A+ para A. Segundo a agência de classificação de risco de crédito, a paralisia política da coalizão de governo do primeiro-ministro Silvio Berlusconi tornou-se um obstáculo para a recuperação da economia do país.

A agência também rebaixou o rating de duas subsidiárias italianas do banco francês BNP Paribas, que detinha € 20,8 bilhões em títulos da dívida italiana em 30 de junho: a Findomestic Banca teve sua nota cortada de A+ para A e a Banca Nazionale del Lavoro teve as notas de longo e curto prazo rebaixadas de AA-/A-1+ para A+/A-1.

A S&P também colocou os quatro bancos rebaixados e outras 11 instituições financeiras, entre elas a UniCredit SpA, em perspectiva negativa, o que abre a possibilidade de novos rebaixamentos no futuro.

Moody's. Nos Estados Unidos, a Moody's rebaixou o rating de crédito de longo prazo do Wells Fargo e o de curto prazo do Citigroup, afirmando que esses bancos têm menos chances de serem socorridos pelo governo atualmente se ficarem perto da falência. A agência já havia rebaixado os ratings de curto e de longo prazo do Bank of America (BofA) mais cedo apresentando a mesma justificativa.

Por volta das 14h20 (de Brasília), as ações do Citigroup subiam 0,04%, enquanto as do Wells Fargo avançavam 0,77%. Os papéis do Bank of America, o maior banco americano, caíam 4,49%, o ma.

A Moody's também rebaixou os ratings de crédito de curto e de longo prazos do BofA, citando "o declínio na possibilidade de o governo dos EUA auxiliar o banco caso seja necessário". Num comunicado, a agência diz que embora "as instituições financeiras de importância sistêmica" possivelmente recebam auxílio se precisarem, "também é mais provável um banco ser deixado para falir agora do que durante a crise financeira se esse banco tornar-se problemático, já que os riscos de contágio ficaram menos agudos";

O rating de crédito de longo prazo do BofA foi rebaixado em dois graus, de A2 para Baa1, e o rating de curto prazo foi reduzido para P-2, de P-1. / DOW JONES NEWSWIRES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.