Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Bancos têm condições de financiar até um terço das concessões, diz Coutinho

Segundo ele, tanto o BNDES quanto o governo têm interesse em que haja participação do crédito privado nos investimentos em logística

Vinicius Neder, da Agência Estado,

16 de setembro de 2013 | 15h57

Os bancos privados têm condições de responder por uma fatia de um terço do financiamento aos investimentos nas concessões previstas no Programa de Investimentos em Logística (PIL), de acordo com previsão do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho.

Segundo ele, tanto o BNDES quanto o governo têm interesse em que haja participação do crédito privado no PIL. Os bancos também têm manifestado interesse e, por isso, essa participação tende a ser significativa.

"Temos condições de chegar a um terço de participação dos bancos. Temos essa expectativa. Vamos ver se ela se confirma", disse Coutinho, na saída de um seminário da Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (Abvcap), no Rio.

Mais cedo, em rápida palestra no seminário, Coutinho destacou que a depreciação cambial pode ser um desafio, mas deixará a economia brasileira mais competitiva.

"A depreciação do real pode ser um desafio de curto prazo, mas o governo não deixará a inflação sair do controle e, no fim, quando o ciclo da política monetária terminar, teremos um câmbio mais competitivo", disse Coutinho, na apresentação em inglês, completando que isso atrairá investimentos produtivos e fará a economia brasileira mais eficiente.

Rodovias. Segundo Coutinho, o governo está conversando com as empresas do setor de concessões rodoviárias para entender a falta de interesse no trecho da BR-262 (Espírito Santo - Minas Gerais), que seria leiloado na quarta-feira. O executivo não quis comentar sobre possíveis causas para a falta de interesse nem sobre possíveis mudanças no modelo de concessão.

A BR-262 seria leiloada junto do trecho da BR-050 (Goiás), que teve oito consórcios interessados, conforme divulgado na última sexta-feira. "O número é satisfatório. Oito é um bom número", disse.

 

Para Coutinho, a falta de interessados não deve minimizar a importância do Programa de Investimentos em Logística (PIL). Ele afirmou que o interesse nas concessões tem sido demonstrado nas conversas com o setor privado, embora varie de empresa para empresa.

"Há trechos mais difíceis, mas não resta dúvida que o setor privado tem interesse", disse Coutinho, sem citar quais trechos seriam mais difíceis de conceder. Segundo o presidente do BNDES, não há alternativas para os investimentos em infraestrutura, além das concessões.

Coutinho também comentou que, em setembro, o ritmo de desembolsos do BNDES para empréstimos já aprovados segue semelhante ao verificado em julho e agosto, entre R$ 14 bilhões e R$ 15 bilhões ao mês.

Tudo o que sabemos sobre:
concessõesrodoviascoutinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.