Bancos tentam popularizar o PC

A classe média nunca teve tanta facilidade para comprar um microcomputador e ter acesso aos serviços proporcionados pela Internet. Segundo o gerente de Marketing da Divisão PCs da IBM do Brasil, Paulo Zirnberger de Castro, os preços dos PCs básicos caíram cerca de 42% nos últimos seis anos. Ele dá o exemplo do computador Optiva da IBM, que em setembro de 1994 custava R$ 2.499,00 e agora pode ser adquirido por apenas R$ 1.699,00, o que significa uma queda no preço de 32%.O analista da IDC Brasil, instituto de pesquisa que acompanha o desempenho do setor, Ivair Rodrigues, diz que desde 1995 as vendas de PCs vêm crescendo 20% ao ano e a expectativa é que, neste ano, o aumento seja de 35%. Mas, dos 41 milhões de domicílios brasileiros, apenas 5% têm um micro - o uso dos PCs domésticos ainda está concentrado nas classes com maior poder aquisitivo.CréditoOs bancos estão oferecendo linhas de crédito especial para compra de PCs porque estão tentando popularizar o uso da Internet para transações bancárias. Esse sistema tem um custo bem menor do que o atendimento do cliente na agência bancária normal.Clientes do Bradesco, por exemplo, podem financiar a compra do micro Scopus em até 24 parcelas. A configuração mais simples, com impressora e scanner (R$ 1.594,00 à vista), sai por 24 parcelas de R$ 89,00. O diretor de Produtos Especiais do Bradesco, Cândido Leonelli, explica que a promoção dá direito a um ano de seguro contra roubo e incêndio e acesso gratuito à Internet.O Banco do Brasil também está com linha de crédito aberta para aquisição de PCs, e o cliente tem liberdade para escolher a loja e o modelo do micro. A Caixa Econômica Federal vai financiar a compra de micros a partir de 15 de outubro.O gerente de Suporte Comercial da Itautec, Edson Torres, diz que um computador básico da Itautec, com scanner e impressora, custa R$ 1.790,00. O diretor de Comunicação e Assuntos Corporativos da Dell e Com, Fernando Loureiro, avalia que um micro com uma boa configuração custa a partir de R$ 2 mil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.