Bancos usam Internet no leilão de imóveis

Apesar de envolverem valores mais altos que os de produtos correntemente comercializados na Internet, os leilões de imóveis brasileiros começaram a utilizar a rede. O planetaimovel.com, em parceria com o superimovel.com e o Unibanco, iniciou em 24 de agosto o primeiro leilão oficial de imóveis pela Internet do País. "Essa novidade é positiva porque anima as pessoas a fazerem ofertas por causa da conveniência. Só não se pode esquecer que a Internet atinge um número reduzido de consumidores", diz o diretor da Brazilian Mortgages, Fábio Nogueira. "Além disso, nem todo o negócio poderá ser resolvido via rede. O comprador terá que visitar o imóvel para evitar decepções posteriores e, no caso de um financiamento, não estará livre da burocracia do banco", completa. A oferta inclui 36 imóveis da carteira do Unibanco entre conjuntos comerciais, apartamentos residenciais e terrenos, nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Os preços variam de R$ 8 mil a R$ 1,2 milhões e as pessoas interessadas poderão visitar os imóveis virtualmente (ou agendar visitas reais) e dar lances de qualquer lugar do País por meio do site planetaimovel.com (veja link abaixo). "A repercussão do leilão pela Internet está sendo extremamente positiva. Recebemos mais de 150 lances, temos 413 cadastros de clientes interessados e agendamos cerca de 480 visitas aos imóveis. Além disso, a média diária de acessos ao site do banco cresceu de 1000 para 1230 visitantes", diz Paulo Mesquita, diretor do Unibanco. As regras do leilão e o edital com as informações sobre os imóveis leiloados também podem ser visualizados no site. Dependendo do valor do imóvel leiloado, o pagamento poderá ser feito à vista ou financiado em até 48 meses pela própria instituição financeira. Segundo o leiloeiro oficial Rodrigo Sodré Santoro, o lance inicial dos imóveis deverá ser 50% inferior ao preço de mercado. O sistema permite que, a cada lance dado, o interessado em determinado imóvel verifique a classificação, data, horário, local e valor dos lances ofertados. "O ideal é conhecer as opções e verificar se os lances mínimos não estão muito próximos dos valores de mercado. Pesquisa e racionalidade evitam a loteria e livram o consumidor de se arrepender no futuro", aconselha Nogueira. O recebimento dos lances será finalizado no dia 28 de setembro, das 9h às 18 h, no Unibanco - Avenida Paulista, 1337, em São Paulo. No local, serão instalados 50 micros que darão acesso à rede para os interessados em acompanhar in loco o resultado final do leilão e dar seus últimos lances. "Para o sistema ser bastante democrático, só aceitaremos lances por e-mail. Além disso, vamos aguardar cinco minutos para finalizar qualquer arremate", garante Mesquita. Internet aumenta negócios por leilão O Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal também estão utilizando a Internet para promover seus leilões de imóveis. Mas, por enquanto, nenhum dos dois bancos pretende realizar toda a negociação pela rede. "O site do Banco do Brasil tem todos os dados e anúncios referentes aos leilões, só não fechamos negócio pela Internet. Temos tecnologia para promover um leilão exclusivamente na rede, mas criá-lo não é uma prioridade", explica Ideraldo Dwight, gerente de marketing do BB Internet. Nessa semana, o BB vai realizar leilões e concorrências públicas para vender 232 imóveis, avaliados em R$ 12,7 milhões. Os imóveis ofertados estão localizados nos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Maranhão, Ceará, Piauí, Minas Gerais e Bahia. Informações mais detalhadas podem ser obtidas no próprio site do banco. A Caixa Econômica Federal (CEF) oferece desde maio informações pela Internet sobre os 20 mil imóveis próprios colocados à venda em todo o país, facilitando o acesso de interessados na compra. Desde então, 435 mil pessoas visitaram a página de imóveis à venda e 11,2 mil enviaram formulários preenchidos para a Caixa, demonstrando interesse de compra. Nos últimos dois meses, a CEF registou um aumento na venda de seus imóveis residenciais em 61,2% e um dos fatores que cooperaram para esse crescimento foi a possibilidade de fazer consultas de imóveis pela rede.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.