Estadão
Estadão

carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Bandeira amarela pode ser acionada em abril, após chuvas do período úmido, diz Aneel

Mudança seria em função do volume de chuvas mais expressivo no período entre novembro e abril; antes disso, já a partir do próximo mês, Aneel colocará em vigor o novo valor da bandeira vermelha, que caiu de R$ 5,50 para R$ 4,50 a cada 100 kWh consumidos

André Magnabosco, O Estado de S. Paulo

20 de agosto de 2015 | 18h50

O diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Tiago de Barros Correia, afirmou nesta quinta-feira que a bandeira vermelha poderá ser substituída pela amarela em abril do próximo ano. A mudança, segundo ele, seria possibilitada por um volume de chuvas mais expressivo no chamado período chuvoso, que vai de novembro a abril. Antes disso, já a partir do próximo mês, a Aneel colocará em vigor o novo valor da bandeira vermelha. A tarifa foi reduzida de R$ 5,50 para R$ 4,50 cada 100 kWh (quilowatts-hora) consumidos.

Esta é a segunda revisão do valor da bandeira vermelha desde janeiro deste ano. Segundo Correia, o modelo inicial não previa mudanças tão constantes, mas elas acabaram ocorrendo e, agora, um novo modelo poderia ser pensado. "Eu, particularmente, acredito que poderiam existir mais de um valor por cor. Mas essa hipótese não foi levada à audiência pública e nem estamos trabalhando com ela", salientou Correia.

A possibilidade de haver uma revisão da cor da bandeira ganhou força após o Ministério de Minas e Energia anunciar o desligamento de térmicas responsáveis por fornecer 2.000 MW médios ao mercado. Especialistas do mercado elétrico acreditavam que a mudança pudesse ocorrer entre o final deste ano e o início de 2016, porém a revisão do valor da tarifa da bandeira vermelha pode mudar essa situação.

Tudo o que sabemos sobre:
energiabandeiras tarifárias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.