Bank of America não cumpre decisão judicial

Contrariando uma decisão judicial, o Bank of America não apresentou até ontem a documentação referente à composição do fundo High Yield, cuja carteira apresentou perdas de 20,18% em junho desse ano. Essa era uma determinação da juíza Andréa Gonçalves Duarte, da 47a Vara Cível do Rio de Janeiro, em resposta a uma ação cautelar iniciada no dia 21 de outubro por um grupo de 115 investidores, representados pelo escritório Bocater, Camargo, Costa e Silva Advogados.Inicialmente, a juíza deferiu uma liminar determinando que a instituição fizesse a "exibição dos documentos solicitados" pelos investidores no prazo máximo de cinco dias, a partir do recebimento da notificação. Isso aconteceu no dia 22 de outubro. Porém, o banco conseguiu ampliar esse prazo para segunda-feira, dia 4 de novembro. Sem cumprir a determinação da juíza, o Bank of America solicitou ontem novamente uma ampliação do prazo para a entrega dos documentos, dessa vez por mais dez dias. Contudo, o pedido foi negado. Procurado pela reportagem da Agência Estado, o Bank of America não comentou o assuntoOs documentos relacionados na ação cautelar são extratos sobre as operações que faziam parte da composição da carteira do fundo High Yield durante o mês de junho e os cinco meses anteriores. O advogado Francisco Costa e Silva, sócio do escritório, esclarece que a ação cautelar tem por objetivo verificar se a administração dos recursos estava de acordo com o estabelecido em prospecto.Banco propõe ressarcimento de perdasNo início desse mês, em carta aos seus clientes, o Bank of America se propôs a ressarcir 40% da perda acumulada pelo Bank of America High Yield FIF no mês de junho. Outro fundo da instituição com desempenho negativo no mês foi o Bank of America Dinâmico FIF, cuja baixa foi de 7%. Para essa carteira, o Banco se propôs a ressarcir 30% do valor da perda. O prazo para a adesão à proposta vencia no final de outubro, mas o banco prorrogou essa data para o dia 20 de novembro.Veja mais informações sobre o assunto no link abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.