Bank of America reafirma acusações a ex-sócios do Liberal

O Bank of America reafirmou nesta quarta-feira as acusações a três ex-sócios do Banco Liberal que venderam a instituição ao Bank of America: o ex-presidente do Banco Central Antônio Carlos Lemgruber, Aldo Floris e Lauro Alberto De Luca. Em ação na Justiça norte-americana, o Bank of America acusa os três de terem desviado, via empréstimos e outras operações ilegais, cerca de US$ 38 milhões."Baseados em nossas investigações, nós acreditamos que as alegações em nossa ação são verdadeiras. Como o assunto está na Justiça, nós não vamos comentar as alegações específicas do senhor Floris?, disse o porta-voz do Bank of America em Nova York, Jeff Hershberger.A afirmação foi feita a propósito de nota divulgada nesta terça-feira por Aldo Floris, em que ele admite a fraude, mas diz que só tomou conhecimento dela em agosto, quatro meses após ter vendido o Banco Liberal, e que, naquele momento, pediu providências ao Bank of América para recuperar os recursos.Na mesma nota, Floris diz que ameaçou processar o Bank of America por não estar defendendo os interesses de investidores e acionistas, entre os quais ele próprio, e que, diante disso, o Bank of America entrou com a ação na Justiça na segunda-feira passada.Floris chegou nesta quarta-feira pela manhã ao Rio, vindo dos Estados Unidos, mas não quis falar com a imprensa. Ele esteve naquele país durante o carnaval para contratar os serviços da empresa de advocacia Kronish Lieb Weiner & Hellman, em Nova York.A advogada criminal do empresário no Brasil, Ilselene Botari, disse que seu cliente só teve conhecimento das acusações do Bank of America no início desta semana, com a ação, e que ?já disse tudo o que devia (ao Bank of America)?.Na nota, Floris insiste em que o processo de venda do Liberal ao Bank of America ocorreu em três transações, acompanhadas de fiscalizações e auditorias internas e externas, ?permanentemente assistido por todos os sistemas e controles internos desta última instituição (Bank of America)?. Ele acusa a instituição financeira norte-americana de ?se apresentar como ingênua vestal induzida a erro que não houve?.O ex-presidente do Banco Central Antonio Carlos Lemgruber, que vive na cidade de Nova Friburgo (RJ), não foi localizado nesta quarta-feira pela Agência Estado. Seu advogado, Arthur Lavigne, não respondeu aos recados da reportagem da Agência Estado. O sócio de Lemgruber e Floris no Liberal, Lauro Alberto de Luca, está em viagem nos Estados Unidos com a família e só retorna ao Brasil na próxima segunda-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.