Bank of America tem prejuízo de US$1,79 bi, obtém ajuda

O Bank of America divulgou nesta sexta-feira prejuízo no quarto trimestre, horas depois de receber uma ajuda bilionária do governo norte-americano para absorver o Merrill Lynch, que sozinho sofreu um prejuízo recorde de 15,31 bilhões de dólares no trimestre. O prejuízo líquido do Bank of America sozinho foi de 1,79 bilhão de dólares, ou 0,48 dólar por ação, ante ganho um ano antes de 268 milhões de dólares, ou 0,05 dólar por ação. A receita líquida cresceu 22 por cento, para 15,68 bilhões de dólares, informou o banco. No Merrill, o prejuízo foi de 9,62 dólares por ação, puxado por significativas baixas contábeis registradas por ativos com problemas. Os resultados do grupo foram anunciados horas depois que o Bank of America obteve 20 bilhões de dólares em capital novo do programa de 700 bilhões de dólares de resgate de bancos dos Estados Unidos. O governo concordou em compartilhar prejuízos relativos a 118 bilhões de dólares em hipotecas residenciais e comerciais, derivativos e dívida corporativa com problemas. O Bank of America concordou em absorver os primeiros 10 bilhões de dólares de qualquer prejuízo, o governo os próximos 10 bilhões de dólares além de 90 por cento das perdas restantes. A nova injeção de capital implica que o Bank of America recebeu até agora 45 bilhões de dólares do pacote de ajuda do governo dos EUA, mesmo volume recebido pelo Citigroup, que ganhou seu próprio plano de ajuda em novembro. Em conexão com o pacote do governo, o Bank of America reduziu o pagamento de dividendos de 0,32 dólar para 0,01 dólar por ação. O presidente-executivo do Bank of America, Kenneth Lewis, recorreu à ajuda do governo para lidar com as perdas do Merrill Lynch, que o banco concordou em comprar em 15 de setembro depois de menos de 48 horas de negociações apressadas. A transação original de 19,4 bilhões de dólares não recebeu assistência do governo e foi concluída em 1o de janeiro. O Bank of America informou que o pacote de resgate ajudará o banco a operar o mais normalmente possível. A instituição informou que concedeu mais de 115 bilhões de dólares em novos empréstimos no trimestre e que está ampliando a equipe de hipotecas para acomodar um aumento nos refinanciamentos. Apesar disso, o banco já está repleto de perdas com crédito. A instituição fez provisão para créditos de difícil recuperação de 8,54 bilhões de dólares no trimestre, alta frente à reserva de 6,45 bilhões de dólares do terceiro trimestre e 3,31 bilhões de dólares do mesmo trimestre do ano anteriors. (Por Jonathan Stempel)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.