BankBoston tem lucro recorde de R$ 737 mi em 2001

O BankBoston registrou lucro líquido de R$ 737 milhões, em 2001. Segundo o banco, o resultado recorde (em 55 anos de atuação no País) ocorreu por conta do aumento na base de clientes pessoa física de 11%, que passou de 180 mil para 200 mil. A expansão do crédito ficou, em geral, em 55%. Essa carteira passou de R$ 5,7 bilhões, em 2000, para R$ 8,9 bilhões, no ano passado.De acordo com o vice-presidente de finanças do banco, Alex Zornig, a maior expansão do crédito foi registrada no segmento de grandes e médias empresas, além de pessoas físicas. Só neste nicho houve crescimento de 37%. A carteira passou de R$ 380 milhões para R$ 520 milhões. "Também somos obrigados pelo Federal Reserve (Fed) dos Estados Unidos a termos nosso capital no Brasil, de US$ 800 milhões, hedgeado. Com isso, R$ 150 milhões do lucro obtido devem-se à proteção do capital", disse.Zornig enfatiza ainda que apenas 10% das receitas com serviços são de tarifas bancárias tradicionais. Contribuiu também para os resultados o índice operacional do BankBoston que, segundo a instituição financeira, é um dos mais baixos do mercado: em cada real de receita, o banco gasta R$ 0,50 em despesas.Ainda segundo o banco, os fundos cresceram 16% acima da média da indústria, de um total de R$ 12,9 bilhões para R$ 15 bilhões. O Boston divulgou ainda que os ativos cresceram 22%, passando de R$ 21 bilhões para R$ 26 bilhões. Esse crescimento deve-se fundamentalmente ao incremento nas operações de crédito, que passaram a responder por 40% do total de ativos, contra 30% em 2000. Ainda segundo o banco, a perda em crédito foi inferior a 3% dos ativos.A carteira de câmbio do banco subiu 51%, passando de R$ 600 milhões para R$ 916 milhões. O retorno sobre o patrimônio alcançou 37%, contra 21% em 2000. O total de depósitos subiu 14%, passando de R$ 1,4 bilhão para R$ 1,6 bilhão.Quadro de funcionários estávelEm 2001, o quadro funcional ficou estável, com cerca de 3.800 pessoas. No ano passado, o Boston recolheu também mais de R$ 600 milhões em impostos e encargos sociais.O ano terminou com 65 pontos de venda. Já as linhas de crédito para o comércio exterior somam mais de US$ 3 bilhões, sendo US$ 1 bilhão proveniente da matriz.Nos últimos doze meses, os investimentos em tecnologia chegaram a US$ 50 milhões. O banco está investindo também US$ 150 milhões na construção de seus novos escritórios no País, que serão inaugurados ainda no primeiro semestre. Em dezembro, realizou ainda aumento de capital de US$ 25 milhões (R$ 58 milhões).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.