Marcos Müller/Estadão
Marcos Müller/Estadão

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Banqueiro? Imposto nele

Relator da reforma da Previdência, Samuel Moreira (PSDB-SP) declarou que 'os bancos podem contribuir mais do que contribuem'

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2019 | 20h00

A proposta de reforma da Previdência prevê o aumento de 15% para 20% da Contribuição Social do Lucro Líquido (CSLL) dos bancos. Com o que, pelas contas do relator, Samuel Moreira (PSDB-SP), ficariam garantidos mais R$ 5 bilhões por ano ou R$ 50 bilhões em dez anos para cobertura das aposentadorias.

Banqueiro em geral já carrega um estereótipo impopular. Ilustradores o pintam de casaca e cartola, charutão na boca, sujeito sem alma, de olho e ouvidos só no movimento e tilintar das moedas e no aumento do seu patrimônio. Para eles, não há o que chegue.

No Brasil, então, depoimentos de todas as procedências falam dos lucros astronômicos dos bancos que precisam de corretivo e, por isso mesmo, estão sempre à espera de um Robin Hood corajoso e candidato a herói que lhes dê o tratamento merecido. A garfada proposta procura explorar essa expectativa. Na sexta-feira, o relator declarou que “os bancos podem contribuir mais do que contribuem”.

Três observações sobre a proposição. A primeira é a de que, nesse ponto, se for aprovada a proposta incluída no projeto do relator, não serão apenas os bancos privados que ficarão sujeitos a essa nova mordida. Aí estarão também os bancos estatais, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banrisul, Banco do Nordeste, Banco da Amazônia e outros. Nesse caso, não seria apenas o setor privado que pagaria esse pedaço da conta. Os bancos públicos detêm entre 50% e 55% do mercado de crédito e seriam eles que contribuiriam mais.

Segunda observação. O projeto do relator mistura itens de projetos de reforma. Usa a plataforma de correções na Previdência para avançar também na reforma tributária. Se é para tungar mais o sistema financeiro (e não só os bancos), seja qual for a justificativa, então é melhor deixar isso para a hora em que o País tiver de rever todo o arcabouço tributário. Vai que, nessa futura reforma, a CSLL desapareça ou seja incorporada por outro imposto e, aí, as receitas previstas por meio da cobrança desse tributo poderiam perder a finalidade prevista pelo atual relator do projeto de reforma da Previdência. Depois, se é para admitir que os bancos têm de ser mais taxados porque apresentam balanços rechonchudos, então é preciso estender o princípio a empresas não financeiras cujas finanças também mostram capacidade de multiplicar dinheiro. Poderiam ser as gigantes digitais, como Google, Apple, Microsoft, Facebook, Amazon...

Terceira observação: ninguém se iluda, banco não paga imposto. Banco recolhe imposto e repassa o débito ao cliente, a seus funcionários ou a seus acionistas. A maior parte dessa conta é paga pelo cliente. Isso significa que, além de tudo quanto já carregam, os juros cobrados sobre o crédito também incluirão esse novo custo. Ou seja, essa nova subconta da Previdência será debitada prioritariamente ao tomador de empréstimos do banco. Nesse sentido, o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem razão quando afirma que “estão botando a mão no bolso dos outros”.

O relatório sugeriu, também, que os repasses do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), correspondente a 40% das receitas do PIS-Pasep, ou R$ 15 bilhões por ano, hoje emprestados para o BNDES (que terá de devolvê-los), sejam absorvidos também como receita corrente da Previdência Social e, simplesmente, gastos em aposentadoria. Sobre isso, a pergunta é: faria sentido usar um patrimônio do trabalhador, que deixaria de financiar a criação de empregos, para cobrir o rombo de caixa do sistema?

CONFIRA

» Demanda mais fraca

Pelo segundo mês consecutivo, o relatório do Instituto Internacional de Energia projetou queda do crescimento da demanda de petróleo neste ano. Em 2019, ficará limitada a 100,3 milhões de barris por dia e não a 101,5 milhões, como anteriormente projetado. A causa dessa revisão é a perspectiva de mais baixo crescimento econômico, especialmente nos Estados Unidos. Essa foi, também, a principal razão pela qual os preços internacionais do petróleo caíram nos últimos meses, como no gráfico ao lado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.