Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Barata voa

O governo está sendo atropelado por surpresas sucessivas e está sendo atropelado por si próprio. 

Celso Ming, O Estado de S. Paulo

13 Setembro 2015 | 02h30

Não contava com o tamanho da crise e foi surpreendido em novembro, como reconheceu a presidente Dilma. Não esperava o rebaixamento da dívida para o nível de especulação e também acaba de ser surpreendido por ele. Antes disso, não esperava o desmanche da Petrobrás, a desestruturação do sistema elétrico, o definhamento da indústria, a rebelião dos políticos da base e a força demolidora da Operação Lava Jato... E, no entanto, todos esses fatos estavam nos radares. Aconteceram por uma mistura inédita de irresponsabilidade, displicência, leviandade. E agora é o governo que vai se desmanchando.

As declarações do ex-presidente Lula em Buenos Aires, de que o rebaixamento “não significa nada; significa apenas que a gente não pode fazer o que eles querem”, não é simples bravata nem é isolada. Muitos dentro do governo, especialmente dentro do PT, pensam assim. Para eles, agências de classificação de risco são coisa do capitalismo financeiro global, em permanente operação de colonização das populações mais pobres. Não se sentem à vontade no regime que vigora por aqui, mas também não se mandam para o outro lado, sabe-se lá o que seja.

Não se dão conta de que, seja qual for a natureza dessas agências de risco, produzem fatos consumados graves do ponto de vista do interesse da população. Não foi apenas a nota do Brasil que foi rebaixada. Também foram arrastadas junto com ela as dos Estados, grandes municípios, as maiores empresas estatais (Petrobrás, Eletrobrás) e outras empresas privadas, inclusive os grandes bancos, como Itaú e Bradesco. Todos os negócios, estatais ou privados, estão a bordo da mesma economia brasileira, porque sua capacidade de honrar compromissos depende do câmbio, dos juros e das autorizações do governo federal. 

O resultado desse downgrade não é apenas aumento dos juros, alta do dólar e do risco; é mais incerteza, menos investimento, mais desemprego e maior dificuldade no ajuste. Ou seja, foram a leviandade e a irresponsabilidade do governo, sempre surpreendido, que produziram o estrago.

Isso aí não é como limpeza de um nome sujo por um calote que se resolve com o pagamento do principal mais multa e juros de mora e acerto no cartório de notas. A recuperação de um rebaixamento pode levar anos. Enquanto isso, a economia geme.

Depois do vidro quebrado, ainda há como evitar o rebaixamento pelas outras agências de risco, desde que a reversão do rombo fiscal seja colocada em prática. Mas o governo continua atarantado, no clima de barata voa.

E, no entanto, não se trata de adotar e executar um programa estratégico de crescimento sustentável, embora este também seja necessário. Trata-se, agora, apenas de apagar o incêndio com um mínimo de eficácia.

O PT não concorda com a política econômica adotada e faz de tudo para solapar o trabalho do ministro Joaquim Levy. A presidente Dilma não gosta de bombeiros e não quer abrir mão de nenhum programa social, ainda que temporariamente. Por coisas assim, seu governo vai se dissolvendo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.