Barbassa desconhece interesse do governo em comprar ações

Diretor da Petrobrás foi questionado sobre declarações dadas pelo ministro Edison Lobão sobre a capitalização

Kelly Lima, da Agência Estado,

04 de setembro de 2009 | 15h36

O diretor financeiro da Petrobrás, Almir Barbassa, disse nesta sexta-feira, 4, que desconhece o interesse do governo federal em aumentar sua participação no capital da empresa em mais de 50% adquirindo diretamente ações da empresa no mercado financeiro.

 

Veja também:

linkPara Armínio, capitalização da Petrobrás ''é um direito''

linkTrabalhadores se mobilizam para investir no pré-sal

 

"O governo há muito tempo não exerce esta opção, mas pode fazer isso. Eu desconheço esta intenção", disse, comentando a pedido de jornalistas a declaração do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, hoje ao jornal Folha de S.Paulo. Barbassa evitou tecer comentários sobre o que esperar dos acionistas minoritários, se vão acompanhar ou não o aumento de capital por parte do governo. "Temos que esperar para ver."

 

Ele também evitou especular sobre os números que envolvem a valoração dos barris que serão aportados pelo governo no capital da companhia. "Isso terá que ser objeto de muito estudo e este estudo tem que considerar uma série de fatores, que vão desde as dificuldades exploratórias até o prazo para se começar a produzir na área".

 

Sobre os relatórios de instituições financeiras que apontam para um valor entre US$ 2 e US$ 4 por barril, Barbassa salientou que estes números apontam para cálculos feitos ainda considerando o pagamento de participação especial sobre a produção. "E já está bastante claro que sobre estas áreas não haverá este pagamento. Estas áreas estão sob o monopólio da União e a participação especial só é cobrada sobre áreas que estão sob o regime de concessão", destacou.

 

Segundo o diretor da Petrobrás, o fato de não pagar a participação especial valoriza o barril no ato da aquisição. "Considerar o pagamento da PE é adicionar um custo ao barril a ser extraído. Isso reduz seu preço atual. Quando se tira a PE, o valor atual melhora porque retira-se este custo futuro. Na prática, é como se estivéssemos antecipando o pagamento desta PE todo de uma vez", explicou em entrevista coletiva após participar de apresentação do marco regulatório a executivos convidados pelo Ibef. A imprensa não teve acesso à apresentação.

Tudo o que sabemos sobre:
BarbassaPetrobrásbolsaações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.