Barclays rejeita busca de capital após impacto de US$ 11 bi

Após ver suas ações perderem mais de metade do valor, banco repete previsão de lucro acima das expectativas

Paul Hoskins e Steve Slater, da Reuters,

26 de janeiro de 2009 | 08h56

O Barclays não está buscando capital de investidores privados ou do Estado pois se mantém lucrativo e pode absorver uma baixa contábil de 8 bilhões de libras registrada em 2008, informou o banco britânico nesta segunda-feira, 26, causando disparada de mais de 50% em suas ações.  Veja tambémDesemprego, a terceira fase da crise financeira global De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  Em uma ação sem precedentes depois que suas ações perderam mais de metade do valor na semana passada, o Barclays repetiu uma previsão emitida em 16 de janeiro em que o banco informou que espera ter lucro anual antes de impostos "muito acima" da estimativa de consenso do mercado, de 5,3 bilhões de libras (US$ 7,3 bilhões), incluindo impacto da baixa contábil. O banco informou ainda que o desempenho do início de 2009 é bom.  Às 8h36 (horário de Brasília), as ações do Barclays disparavam 54,88%, a 79,4 pences. Apesar disso, o valor do papel segue bem abaixo do negociado em fevereiro de 2007.  O presidente do conselho do Barclays, Marcus Agius, informou em comunicado que o "banco registrou significativas baixas contábeis em um ambiente muito desafiador, mas teve níveis de receitas de seus negócios significam que continua lucrativo e bem capitalizado. Não precisamos de mais capital".  Escrevendo em carta aberta a clientes e acionistas, Agius e o presidente executivo da instituição, John Varley, afirmaram que as estimativas de lucro de 2008 incluem todos os custos e avaliações de mercados.  As previsões incluem ainda ganhos decorrentes da aquisição dos negócios norte-americanos do Lehman Brothers e da venda de unidade de seguros de vida, mas, no geral, o lucro projetado reflete "a geração de forte lucro operacional".  O banco informou que está tendo um "bom começo em 2009", e que os níveis de atividade de cliente têm sido altos. "Em particular, o desempenho operacional do Barclays Capital, ao se beneficiar da integração agora completada com Lehman, tem sido extremamente forte".  Os resultados do Barclays devem ser anunciados em 9 de fevereiro.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraBancosBarclays

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.