'Barganha' com Obama não é possível, diz republicano

O líder da Câmara dos Representantes (deputados) dos Estados Unidos, John Boehner (republicano por Ohio) disse no começo da noite de hoje que "não é possível" uma "grande barganha" com o presidente dos EUA, Barack Obama, a respeito do aumento do teto de endividamento do governo americano.

ANDRÉ LACHINI, Agencia Estado

24 de julho de 2011 | 19h17

Boehner deu as declarações a representantes republicanos em uma teleconferência e alertou que alguns deles precisam aceitar sacrifícios em um projeto final, informou uma fonte familiarizada com as negociações. Esse projeto dos republicanos, segundo ele, seria desenhado amanhã.

A teleconferência de Boehner com seus colegas aconteceu no contexto do líder atualizar os republicanos sobre a situação das negociações com os democratas para o aumento do teto da dívida. A fonte afirma que Boehner falou aos seus correligionários que o caminho para um acordo não passa apenas por ele e por Obama, mas passará por um projeto de lei enviado a Obama.

Ele afirmou que terá mais detalhes sobre como será esse plano amanhã, mas afirmou aos representantes que o projeto será parecido com um plano aprovado pela Câmara na semana passada. O projeto aprovado foi derrubado no Senado.

A nova proposta extrairia cortes mais profundos e imediatos no orçamento do governo federal americano, frearia gastos futuros e também determinaria que um aumento no teto de endividamento estará condicionado à aprovação no Congresso de uma emenda, a qual exigirá que a Casa Branca equilibre o orçamento. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
tetodívidaEUAnegociação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.