Barreiras argentinas contra o Brasil já estão em vigor

O Ministério da Economia da Argentina confirmou que as barreiras impostas contra produtos importados do Brasil já foram publicadas no Diário Oficial na Argentina na terça-feira e, segundo funcionários do Ministério da Economia, "já estão valendo". As declarações contrariam nota do ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, de que as barreiras ainda precisavam de regulamentação e não entrariam em vigor antes de negociações entre os dois países.O anúncio das barreiras está ofuscando o início da reunião de cúpula dos países do Mercosul, nesta quarta-feira em Puerto Iguazú, segundo especialistas dos dois países. "Atitudes como essas só servem para manchar a imagem do bloco no exterior", disse Alberto Alzueta, da Câmara de Comércio Argentino-Brasileira, a uma rádio argentina.Na opinião do ex-secretário de Indústria da Argentina, Dante Sicca, medidas protecionistas e de emergência não ajudam a fortalecer o Mercosul e muito menos a solucionar os problemas, que classificou de "estruturais". "Em 1994, toda a indústria de eletrodomésticos do Brasil era sete vezes maior que a da Argentina. Hoje, essa indústria brasileira é dezessete vezes maior que a da Argentina. Algum problema temos aqui", disse. Ele diz que a Argentina é dependente, por exemplo, das importações de geladeiras, já que possui apenas uma pequena fábrica do setor. "O problema é que em muitos casos a Argentina ou não produz ou precisa da compra externa para complementar sua demanda."Membros do governo argentino e alguns industriais defenderam as medidas. Segundo o vice-ministro das Relações Exteriores, Martín Redrado, as barreiras estariam ajudando a "equiparar o campo de jogo" comercial entre os dois países, que seria desfavorável à Argentina. A União Industrial Argentina (UIA) divulgou uma nota de apoio às medidas, informando que a decisão foi adotada após reunião dos industriais com o presidente Néstor Kirchner, há cerca de dez dias. A nota diz que as barreiras são "a melhor maneira de aprofundar o Mercosul, sobre a base de acordos comerciais e a união entre Estados que permita o desenvolvimento industrial harmônico de todos e cada um dos países integrantes do bloco".Segundo dados oficiais, as importações da Argentina aumentaram 71% no primeiro semestre deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado. As importações do Brasil aumentaram 75%. O Centro de Estudos Bonaerenses (CEB), especializado em questões de comércio exterior, disse que nos últimos 13 meses a Argentina vem acumulando déficits seguidos na balança comercial com o Brasil, que somam US$ 1,1 bilhão. São dados que contrastam com os dos registrados na década de 1990, quando o Mercosul tinha números recordes de comércio, mas era o Brasil que apresentava um grande déficit.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.