Barroso vai deixar o comando da Via Varejo

Executivo assumi vice presidência do GPA e passa o cargo para Peter Paul Estermann

Dayanne Sousa, O Estado de S.Paulo

03 Outubro 2015 | 02h03

A Via Varejo, empresa de eletroeletrônicos do Grupo Pão de Açúcar (GPA), deixará de ser comandada pelo executivo Líbano Barroso. O GPA anunciou ontem que Barroso assumirá a recém-criada vice-presidência de operações do grupo, enquanto a presidência da Via Varejo passará a ser ocupada por Peter Paul Estermann, que ocupava a vice-presidência de infraestrutura e desenvolvimento estratégico do GPA.

A alteração nos cargos ocorre pouco mais de dois meses após ser anunciada a saída do então diretor vice-presidente financeiro da companhia, Emmanuel Eric Lemaître. Em 2014, o grupo já tinha mudado o comando, com a saída de Francisco Valim da presidência, oito meses após ele ter assumido o cargo. Barroso, que entrou no GPA em novembro de 2013, assumiu a posição de Valim. Também deixou a Via Varejo no ano passado Vitor Fagá, antigo vice-presidente financeiro, que passou a atuar na Cnova, companhia de e-commerce do Casino e GPA.

A alteração tem o objetivo de dar maior agilidade ao processo de integração dos negócios do grupo, segundo fontes próximas à empresa. Barroso, ex-presidente da TAM, tem um perfil voltado para reestruturação de negócios. Já Estermann, que passou por empresas como Magnesita e Medial Saúde, vai acelerar o processo de otimização e de racionalização de custos da Via Varejo, que enfrenta um momento difícil com a baixa demanda no mercado interno.

Em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a empresa destaca que Estermann, engenheiro pós-graduado pela Harvard Business School, chega à presidência da Via Varejo após o período de um ano e três meses à frente da vice-presidência de infraestrutura e desenvolvimento estratégico do GPA - área que deixa de existir a partir dessa reorganização.

"A posição de Peter Estermann como líder do processo de integração entre as empresas do GPA confere a ele um profundo conhecimento dos negócios do grupo, incluindo a Via Varejo. Essa experiência interna, somada aos processos de "turnaround" conduzidos pelo executivo em grandes companhias no Brasil e no exterior nos dá segurança de que teremos sucesso na implantação dos planos e na obtenção dos avanços esperados", destacou Ronaldo Iabrudi, presidente do GPA no comunicado.

Durante o mês de outubro, Líbano Barroso e Peter Estermann conduzirão, em conjunto, os processos de integração em GPA e Via Varejo.

Repercussão. Para a equipe de análise do banco Brasil Plural, o anúncio de uma nova mudança no comando da Via Varejo pode ser mal recebido pelo mercado. Em comentário, os analistas consideram que alterações recentes na diretoria "sugerem que as operações e a performance da companhia ainda estão aquém das expectativas".

Na avaliação da Brasil Plural, o anúncio de hoje reforça a percepção de que as operações continuam sofrendo diante do cenário macroeconômico desafiador. Em relatório, Guilherme Assis e Felipe Cassimiro consideraram que o desempenho fraco da companhia pode levar a uma retração nos lucros ao longo dos próximos dois anos. "Esperamos contração no lucro de mais de 80% em 2015 com uma chance muito pequena de melhora em 2016", afirmaram.

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. PauloVia Varejo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.