DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Base do novo governo derruba votação de urgência de projeto sobre Funrural

Proposta apoiada pela Frente Parlamentar da Agropecuária extingue o pagamento do passivo gerado pela cobrança do Funrural

Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

28 Novembro 2018 | 21h54

BRASÍLIA - Uma articulação liderada pelo vice-líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (PSL-GO), conseguiu barrar a votação do requerimento de urgência do projeto que trata sobre o perdão das dívidas do Funrural (Projeto de Lei n.º 9252, de 2017), de autoria do deputado Jerônimo Goergen (PP-RS). Waldir costurou com líderes da Casa e conseguiu obstruir a sessão, que foi finalizada sem apreciação do requerimento. "Vamos barrar qualquer projeto que gerar despesas para o novo governo", afirmou o deputado.

A proposta, apoiada pela Frente Parlamentar da Agropecuária, que estava na pauta do dia, extinguiria o pagamento do passivo gerado pela cobrança do Funrural e ganharia prioridade de votação em Plenário com a aprovação do requerimento de urgência.

Devido à obstrução de todos os partidos, a ordem do dia foi finalizada também sem a apreciação da Medida Provisória n.º 845, de 2018, que cria o Fundo Nacional de Desenvolvimento Ferroviário (FNDF). A MP perde a vigência nesta quarta-feira, 28.

Antes do fim da sessão, a Câmara aprovou projeto de lei que permite a concessão de prisão domiciliar para grávidas e para mães de pessoas com deficiência. O projeto, que veio do Senado, segue agora para sanção do presidente Michel Temer. A matéria prevê alguns requisitos para a concessão do benefício.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.