Ina Fassbender|Reuters
Ina Fassbender|Reuters

Basf compra unidade de sementes e herbicidas da Bayer por € 5,9 bilhões

A Basf, terceira maior fabricante mundial de produtos químicos para lavouras, vinha evitando adquirir ativos de sementes

Agências, Reuters

13 Outubro 2017 | 10h25

A alemã Basf adquiriu os negócios de sementes e herbicidas da conterrânea Bayer por € 5,9 bilhões (R$ 22,1 bilhões), no momento em que a Bayer tenta convencer as autoridades reguladoras a aprovarem seu plano de aquisição da norte-americana Monsanto.

A Basf, terceira maior fabricante mundial de produtos químicos para lavouras, vinha evitando adquirir ativos de sementes. Em vez disso, a empresa estava incentivando pesquisas sobre características das plantas, como tolerância à seca, que vende ou licencia para desenvolvedores de sementes.

O acordo de US$ 66 bilhões entre a Bayer e a Monsanto para a compra do grupo de sementes norte-americano, anunciado em setembro de 2016, no entanto, criou oportunidades para que rivais comprassem ativos que precisam ser vendidos para atender a exigências de autoridades reguladoras de concorrência.

A venda para a Basf avalia o ativo em cerca de 15 vezes seu Ebitda (ganhos antes de juros, impostos e depreciação) de 2016, de € 385 milhões, o que o analista Volker Braun, do Bankhaus Lampe, disse ser "razoável", considerando que o ativo teria que ser vendido de qualquer modo.

A Basf financiará a aquisição por meio de uma combinação de dinheiro à vista, papéis comerciais e títulos. A empresa espera que a aquisição acrescente valor a seus resultados em 2020.

A Bayer disse que usará os lucros da venda para refinanciar parcialmente a aquisição da Monsanto. A empresa divulgará uma atualização sobre as sinergias esperadas com a aquisição no momento em que o acordo for fechado.

As ações da Bayer subiam 1,3% às 7h55, enquanto as da Basf recuavam 0,15%, após chegarem a cair 0,7%. 

Mais conteúdo sobre:
BasfBayer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.