Gabriela Biló/Estadão - 21/1/2021
Gabriela Biló/Estadão - 21/1/2021

Bastidores: equipe econômica vê fala de Pacheco sobre teto e auxílio como 'retórica política'

Candidato do Planalto ao comando do Senado disse que o teto de gastos não pode ser 'intocado' e pode ser revisto para abrir caminho a políticas tidas por ele como necessárias, como uma nova rodada do auxílio emergencial 

Idiana Tomazelli e Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2021 | 09h32

BRASÍLIA - Apesar do pânico entre investidores e no mercado financeiro com o aceno feito por Rodrigo Pacheco (DEM-MG), candidato ao comando do Senado, a uma possível revisão do teto de gastos, mecanismo que limita o avanço das despesas à inflação, a equipe econômica encarou as declarações do parlamentar como “retórica política” em meio à disputa pela cadeira hoje ocupada por Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Em entrevista ao Estadão/Broadcast, Pacheco disse que o teto de gastos não pode ser “intocado” e pode ser revisto para abrir caminho a políticas tidas por ele como necessárias, como uma nova rodada do auxílio emergencial ou um incremento no programa Bolsa Família.

As declarações repercutiram imediatamente no mercado, porque o democrata, que é o candidato apoiado pelo Palácio do Planalto na corrida pelo comando do Senado, adotou um discurso oposto à agenda defendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Além disso, Pacheco detém hoje o maior número de apoios dentro da Casa, contra a candidatura de Simone Tebet (MDB-MS).

Mesmo com a repercussão no mercado, o tom é de contemporização na equipe econômica. Segundo apurou o Estadão/Broadcast, a avaliação é que é difícil saber o que é discurso político devido à proximidade com a reta final da disputa pela presidência do Senado e o que é convicção própria de Pacheco. O democrata reúne em torno de sua candidatura um arco bastante diverso de siglas, que vai do PSC, tido como uma legenda conservadora, até do PT, opositor ao governo Bolsonaro e que é contra a manutenção do teto de gastos.

A pouco menos de duas semanas da eleição para a mesa do Senado, Pacheco, na avaliação da área econômica, pode ter usado da “retórica” para evitar desgaste junto a seus apoiadores num momento delicado da disputa. Por isso, a declaração foi vista com cautela dentro do Ministério da Economia, já que nada disso significa uma mudança de rota imediata na condução das negociações com o Congresso pelas medidas de ajuste.

Segundo uma fonte ouvida pela reportagem, a declaração de Pacheco e o apoio dado pelo Planalto à sua candidatura não devem ser interpretados juntos como condescendência da ala política do governo a uma alteração no teto ou à defesa de mais gastos sociais sem medidas de compensação. O mantra continua sendo o de que a equipe do presidente Jair Bolsonaro segue alinhada na defesa da agenda de Guedes. A própria reação do mercado é vista como um “alerta” ao parlamentar sobre o risco de seguir um caminho diverso.

No mercado financeiro, a entrevista do candidato à presidência do Senado reforçou o sinal amarelo que já está aceso devido à combinação de risco de atraso na vacinação contra covid-19, pressão por prorrogação do auxílio emergencial e inflação mais elevada.

A definição no comando do Congresso é considerada essencial para destravar a pauta econômica. A mais urgente é o Orçamento de 2021, mas uma série de reformas também aguarda na fila. O foco da área econômica também se divide com o cronograma da vacinação, já que a imunização da população é importante para a retomada da atividade econômica em definitivo.

Equipe de Guedes teme que demora em vacinação comprometa retomada

Nos últimos dias, a equipe econômica monitorou com preocupação os atrasos no envio de vacinas e insumos para a fabricação de imunizantes. A demora na vacinação pode comprometer a retomada e ampliar ainda mais a pressão por novas ajudas do governo.

As críticas à atuação do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, não chegam a ser abertas, mas há um desconforto grande com as falhas nas negociações para a compra das vacinas e jogam “combustível” para o aumento de gastos. O Ministério da Economia não se envolveu nas negociações para as compras da vacina com a orientação de Paulo Guedes de que a função da área econômica é garantir que não falte dinheiro para adquirir os insumos e doses necessários.  

O Orçamento já prevê R$ 20 bilhões para as vacinas. Não são de hoje também as críticas reservadas de assessores de Guedes à atuação do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que tem afetado os negócios de comércio e, agora, o diálogo para a compra da vacina num mundo em que os Países são "cada vez mais interdependentes".

Um integrante da equipe econômica, que falou na condição de anonimato, diz que é preciso sustentar a pressão pela  prorrogação do auxílio nesses primeiros três meses do ano, período apontado mais difícil. A equipe econômica está convencida que, se conseguir “segurar o lado fiscal”, a economia vai ganhar a partir do segundo trimestre. 

O ministro não descarta, no entanto, como já mostrou reportagem do Estadão, a prorrogação do auxílio, no caso de piora da pandemia. Nesse caso, Guedes já avisou que o valor do auxílio terá que ser menor do que os R$ 300, valor concedido nos últimos meses de 2020. Em dezembro, segundo projeções da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado, os gastos com o pagamento de auxílio caíram para R$ 17 bilhões, bem abaixo dos R$ 51 bilhões pagos por mês no início da pandemia.

A equipe econômica, porém, avalia que não há espaço fiscal para novos socorros e quer evitar ao máximo ter de recorrer a esses programas. Em caso de necessidade, outras áreas podem acabar sofrendo cortes, como é o caso do FGTS, que precisaria diminuir seu Orçamento para novos financiamentos na área de habitação em 2021 para dar lugar a uma nova rodada de saques emergenciais para os trabalhadores. Por essa dificuldade, não há ainda qualquer acerto nesse sentido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.